«É o momento de ajudarmo-nos uns aos outros e todos juntos sairmos o mais rápido possível desta situação»

35
visualizações

Julio Velázquez revela que procura ter uma interação diária com os jogadores, que seguem em suas casas as indicações dadas pela estrutura profissional do clube.

 

- Pub -

O treinador do Vitória FC, Julio Velázquez, afirma sentir os seus jogadores “fortes” nos contactos que estabelece com a equipa durante a quarentena que se cumpre devido à pandemia da Covid-19. Em entrevista à Liga Portugal, o técnico dos setubalenses revela que os elementos que compõem a estrutura profissional falam regularmente para avaliar o estado físico e emocional dos atletas.

A viver em Setúbal desde que o clube suspendeu os treinos, o técnico espanhol, de 38 anos, não esconde a sua preocupação com os seus familiares e amigos que se encontram em Espanha. Julio Velázquez frisa a importância de todos se manterem em suas casas, lembrando que só dessa forma se poderá evitar a propagação do vírus, permitindo que a situação volte ao normal o mais cedo possível.

 

Como está a viver toda esta situação provocada pelo Covid-19?

Toda esta situação é muito difícil para todos. O momento é muito difícil e de grande responsabilidade. Estamos numa situação complicada a nível mundial, na qual todos precisamos de ficar em casa. Esta é a única forma de conseguirmos arranjar uma solução para este problema.

Tem falado com os jogadores do Vitoria FC? Como os sente do ponto de vista anímico?

Sim, tenho mantido o contacto com todos os jogadores e todas as pessoas que trabalham no futebol profissional do Vitória. Sinto-os fortes, estão a fazer o respetivo trabalho, estão com as famílias e expectantes com o que vai acontecer. Tentamos ter uma interação diária e sobretudo passar uma mensagem de ajuda no plano emocional para se precisarem de qualquer coisa, seja a nível pessoal ou familiar, eles sintam que têm a nossa ajuda.

Sendo espanhol, como está a ver a situação no seu país?

Neste momento, estou à distância e vejo a situação em Espanha muito complicada, muito parecida à situação de Itália. Ficaram muitas pessoas infetadas e, de dia para dia, as mortes são muitas. Espero que o mais cedo possível a situação volte ao normal. Neste momento, estou muito preocupado com a minha família e amigos. O dia-a-dia deles é muito parecido ao nosso, mas o número de infetados e mortes não tem nada a ver e, por isso, estou muito preocupado com tudo o que está a acontecer em Espanha.

De uma forma geral como vê o futuro depois da pandemia passar?

De uma maneira geral, o mundo, vai mudar… sem dúvida alguma! Espero que, em primeiro lugar, todos se tornem um “bocadinho mais humanos”, no nosso quotidiano, com a nossa família, na nossa profissão, em todas as situações em geral. Depois, acredito que vão existir muitas mudanças no aspeto económico.  Estamos a falar de uma situação única e de exceção, o mais normal é existir inúmeras situações problemáticas a nível económico. Mas, agora, o mais importante é arranjar a solução e depois todos juntos tentarmos que a crise seja a menor possível, sabendo que vai ser uma situação muito complicada em todo o mundo.

Como está a ver as medidas implementadas?

Como todos os outros cidadãos a minha obrigação é ficar em casa e cumprir com as medidas implementadas.  Temos de confiar nas pessoas que decidiram e adotaram estas medidas. Não é o momento de achar ou não achar bem, esta situação é muito complicada e as pessoas que decidem têm de tomar difíceis decisões. Temos de acatar e assumi-las com a máxima responsabilidade.

Como ocupa o seu tempo livre?

Tento ocupar o tempo da melhor maneira possível. Sabemos que não ficámos de férias, ficámos numa crise mundial, mas temos de aproveitar o tempo. O que tento fazer é ficar atento a todas as situações dos jogadores e de todas as pessoas que trabalham na equipa. Falo constantemente com o departamento médico, com o preparador físico para preparar o trabalho diário dos jogadores e, só depois do meu trabalho, aproveito o tempo para falar com a família, com os amigos, com pessoas do futebol. Por dia, vejo dois a três jogos e aproveito para aperfeiçoar os diferentes idiomas, para melhorar e aprender. Gosto de ler, vejo um filme e faço uma hora, uma hora e meia de exercício físico todos os dias. Com tudo isto tento ter uma dinâmica diária e não quebrar com a minha rotina.

Qual o livro que está a ler ou série que está a ver?

O livro que estou a ler neste momento, porque tenho lido bastantes, é a “Inteligência emocional” de Daniel Goleman. O filme, varia muito… Um dia vejo um filme, outro dia vejo uma serie e gosto de ver um pouco de tudo.

Está a aproveitar um tempo que raramente tem. É estranho? Ou está a saber desfrutar dele?

É muito estranho e muito difícil desfrutar deste tempo. É um período de muita, muita dificuldade. Tento aproveitar e essa é a palavra, porque não consigo desfrutar! É impossível com tudo o que está a acontecer. Morrem muitas pessoas, muitas pessoas ficam infetadas e, na verdade, não consigo desfrutar do tempo. Mas já que ficámos e estamos em casa, tento aproveitar da melhor maneira possível.

Que mensagem gostaria de deixar?

É o momento de ficarmos fortes e sobretudo ter uma grande responsabilidade social, ajudarmo-nos uns aos outros e todos juntos sairmos o mais rápido possível desta situação.

com Liga Portugal

Comentários

- Pub -