Futebol sénior está em risco no Beira Mar de Almada

11
visualizações

A decisão será tomada em consciência e a comunicação oficial tornada pública na altura própria pela direcção do clube.

 

- Pub -

O Beira Mar de Almada nunca foi um clube de grande poder económico mas a carolice e o trabalho desenvolvido pelos seus dirigentes, com maior ou menor dificuldade, tem conseguido manter em actividade ao longo dos anos algumas centenas de atletas de diversas modalidades e escalões.

 

Agora, com esta terrível doença que mudou por completo os nossos hábitos e as nossas vidas, tudo se complicou porque o clube está parado e não tem qualquer fonte de receitas. A situação, é de facto muito delicada e o mais provável é que na próxima época se veja obrigado a suspender a sua equipa de futebol sénior que se encontra a disputar o Campeonato Distrital da 1.ª Divisão na AF Setúbal.

 

Luís Miguel Azevedo, que preside à direcção do clube, em entrevista ao “Setubalense”, diz que os prejuízos são enormes e que o clube não tem capacidade financeira para manter a equipa em actividade.

 

A direcção a que preside está há pouco tempo em funções. O que aconteceu agora veio complicar a sua missão?

O Beira Mar de Almada para este ano tinha o objectivo de conseguir estabilizar o clube a nível financeiro e era o que estava a conseguir até acontecer esta pandemia que nos vai condicionar muito em relação à preparação da próxima época. Estávamos a conseguir cumprir com as nossas obrigações mas agora ficou tudo suspenso.

 

Concorda com a decisão de dar por concluída esta época desportiva?

Em relação à conclusão das provas o Beira Mar de Almada, como todos os clubes, em votação unânime concordou que não havia condições humanas para os campeonatos continuarem porque teria de acabar a 30 de Junho e não haveria tempo para isso. Como sabem, isto ainda não acabou, nem sabemos quando será o fim do estado de emergência. Por isso, em primeiro lugar deve estar acima de tudo a vida humana.

 

Em termos económicos os prejuízos são avultados?

Não temos receitas porque o clube está fechado para todas as actividades, como tal os prejuízos são enormes. O Beira Mar de Almada sobrevive da mensalidade dos atletas das várias modalidades: futebol, karate, sevilhanas, pilates, zumba, yoga e salsa. Não recebemos qualquer apoio e as despesas continuam mesmo com o clube fechado, o mesmo será dizer que as coisas não estão fáceis.

 

E em relação à próxima época já pensou como vai ser?

A direcção do clube irá reunir logo que possível para delinear a próxima época. Como sabem, foi feita recentemente uma reunião de presidentes com a Associação de Futebol de Setúbal e essa mesma pergunta foi feita. A nossa resposta foi que perante o cenário actual e tendo em conta que nos próximos meses não vamos ter receitas, uma das hipóteses mais prováveis é a não continuidade da equipa sénior porque no início da época é preciso um grande esforço financeiro e o Beira Mar de Almada não tem capacidade para isso, assim como não tem condições para fazer face aos gastos mensais com a equipa. Portanto, neste momento é impensável a continuidade da equipa sénior de futebol. A decisão será tomada em consciência e a comunicação oficial será feita na altura própria pela direcção do clube.

 

Prevêem-se então tempos difíceis para o Beira Mar de Almada?

Não só para o Beira Mar de Almada mas para todos nós. No nosso caso iremos tentar definir uma estratégia para que o clube seja auto sustentável com os seus escalões. Sem apoios federativos ou associativos irá ser difícil os clubes resistirem a esta pandemia. Os clubes sobrevivem dos poucos apoios de patrocinadores e como neste momento está tudo fechado ou lay-off, não há dinheiro para patrocínios. Se a direcção do Beira Mar de Almada decidir não participar no campeonato distrital da 1.ª Divisão será com muita pena que o faremos porque há algum tempo atrás era impensável acabar com os seniores. Mas, às vezes é melhor dar um passo atrás para depois avançarmos com mais forca e melhor. Este é um escalão de grande importância para o clube que já completou 73 anos de história.

Comentários

- Pub -