30 Novembro 2020, Segunda-feira
- PUB -
Início Desporto Ciclista Ruben Guerreiro surpreendido e ‘abençoado’ à chegada a Pegões Velhos

Ciclista Ruben Guerreiro surpreendido e ‘abençoado’ à chegada a Pegões Velhos

Cerca de meia centena de familiares e amigos do ciclista Ruben Guerreiro surpreenderam ontem o camisola azul do Giro 2020, à chegada a Pegões Velhos, numa receção em que nem faltou a bênção do padre da paróquia.

- PUB -

Após um dia intenso, que começou com a viagem de Milão para Lisboa, logo de manhã, e prosseguiu com uma tarde recheada de compromissos com a comunicação social na capital, o vencedor do prémio da montanha foi recebido já perto das 21:00 com bolo, champanhe, balões e várias t-shirts azuis estampadas com a foto da vitória na nona etapa, em Roccaraso, onde vestiu pela primeira vez a camisola com que acabou a corrida.

“Tanta gente”, exclamou, visivelmente surpreendido, mas já de pé, dentro do carro, a acenar através do teto de abrir, antes de sair e ser ‘engolido’, na medida do possível, pelas saudades de todos aqueles que torceram e vibraram à distância com o feito do ciclista da Education First.

É que, em plena pandemia de covid-19, a maior parte dos cumprimentos foram visivelmente mais comedidos, apesar de o pai não esconder o “orgulho” que lhe invadia a alma enquanto aguardava pela chegada do seu campeão.

- PUB -

“Estamos todos orgulhosos. É pena os tempos não estarem de outra maneira, senão a festa era mais rija”, garantiu António Guerreiro à Lusa.

Já refeito das emoções, admitiu que esta “foi a maior” proeza do seu filho mais velho e que depois de o ver a ser campeão “do nacional de juniores, de sub-23, da Volta do Futuro e do campeonato nacional de elites” o coração já está ‘treinado’ para as emoções.

“Se não morri até agora, também já não será por isso. O que me falta vê-lo fazer? Penso que falta-lhe ir ao ‘Tour’. Espero que vá e faça um bom resultado”, desejou o responsável por incutir o ‘bichinho’ das bicicletas no filho, que começou muito novo a segui-lo nos passeios de BTT.

- PUB -

O agricultor, de resto, percebeu desde cedo a apetência do filho, que “nunca teve medo de andar de bicicleta, a descer ou a subir”, até vir a tornar-se no primeiro português a sagrar-se ‘rei’ da montanha numa grande volta, apesar de a região onde cresceu não ser propriamente montanhosa.

“Acho que faz parte da genética dele e também já há alguns anos que faz estágios na Serra da Estrela e na Serra Nevada”, explicou António Guerreiro.

Conhecedor da geografia da região, o presidente da Junta de Freguesia de Santo Isidro de Pegões lembrou que o “Ruben, quando está em casa, treina diariamente e vai todas as semanas à Serra da Arrábida”, a cerca de 50 quilómetros.

“O Ruben [Guerreiro] encheu-nos de orgulho, soube levar bem alto a freguesia de onde é natural e residente. É um orgulho por tudo o que representa e merece, porque é uma pessoa humilde e feliz a fazer o que faz. Isto podia ser uma receção feita de outra forma, mas a pandemia assim nos obriga”, lamentou António Miguens.

O ciclista, por sua vez, não parecia notar a diferença no acolhimento e não escondia a alegria, mas, dado o adiantado da hora, já dava sinais de precisar de mais do que o bolo e o champanhe que ia servindo aos presentes, ao perguntar bem alto onde seria o jantar.

“O que me apetece para o jantar? Tudo menos arroz e massa”, desabafou em declarações à agência Lusa, ávido de uma dieta diferente da que cumpriu durante, pelo menos, as três semanas de competição.

Mas, antes do jantar e até mesmo de servir o bolo, o ciclista de Education First recebeu a bênção do padre da paróquia, que abriu a porta da igreja de Santo Isidro para pedir aos presentes que se juntassem a ele numa “oração pelo Ruben” e de “agradecer a Santo Isidro por o Ruben estar de volta”.

O ciclista de Pegões Velhos tornou-se, aos 26 anos, no primeiro português a conquistar uma camisola de uma grande volta ciclista internacional, ao conquistar o prémio da montanha no ‘Giro’ de Itália, além de vencer a nona de 21 etapas da ‘corsa rosa’.

A 103.ª edição da Volta a Itália em bicicleta terminou no domingo, com a vitória do britânico Tai Geoghegan Hart (INEOS), numa edição em que outro português, João Almeida (Deceuninck-QuickStep), também brilhou, ao envergar a camisola rosa de líder durante 15 dias, antes de terminar no quarto lugar.

Lusa

- PUB -

Mais populares

St. Peter’s: Investimento de 4,6 milhões abre a porta a mais de 200 alunos

Novo edifício projectado para Setembro de 2021 permitirá também ao colégio ter alunos em regime de internato Nas actuais instalações, na Volta da Pedra, Palmela,...

Investigador do Politécnico de Setúbal entre os mais citados em todo o mundo

O professor Vítor Pires é um dos 37 portugueses que integram a lista especial da Universidade de Stanford   Vítor Fernão Pires, docente da Escola Superior...

Denúncia de alegada fraude fiscal de Paulo Rodrigues seguiu para as Finanças

Em causa as comissões recebidas pelo agora presidente do Vitória quando era empresário.   O SETUBALENSE teve acesso à documentação remetida esta semana por um sócio...
- PUB -