28 Fevereiro 2021, Domingo
- PUB -
Início Dossiê 20 Setubalenses 20 Artistas 20 Setubalenses, 20 Artistas. Sheila Pereira: “Uma expressão do movimento”

20 Setubalenses, 20 Artistas. Sheila Pereira: “Uma expressão do movimento”

A bailarina, coreógrafa e professora de dança, Sheila Pereira deixou livre o movimento da sua alma para ser captado num momento único. Pela objectiva do fotógrafo Alex Gaspar.

“Expressão do movimento. Procura. Desejo de crescer mais, artisticamente”, estas são as palavras que a professora, bailarina e coreógrafa, Sheila Pereira, traduz frente à imagem captada pela objectiva de Alex Gaspar, no projecto “20 Setubalenses, 20 Artistas”

 

- PUB -

A dança sempre fez parte da vida de Sheila Pereira. Aos 16 anos começou a “levar a dança um pouco mais a sério”, como gosta de referir. “Foi nessa época que procurei uma melhor formação do corpo”, conta a bailarina. “O mesmo momento da vida em que me cruzei com as danças urbanas. O estilo com o qual sempre me identifiquei mais e que, hoje, se reflete com mais intensidade no meu trabalho”.

No contexto das danças urbanas surgiu assim a oportunidade de Sheila Pereira começar a dar aulas, em Setúbal. E foi deste modo que, em 2014, o projecto Noisy Crew, com inspiração nos sons e movimentos do Hi-Hop, não parou mais.

 

“Ainda existe muito preconceito em relação à dança”

- PUB -

 

Através da cultura do Hip-Hop, tendo como base de trabalho os Noisy Crew, Sheila Pereira quer colocar Setúbal no mapa da dança com inspiração urbana. Passando os valores da amizade e entreajuda aos jovens a quem dá aulas, no Complexo Desportivo do Bocage. “Um percurso que há 4 anos atrás não começou de forma fácil”, assume. “Hoje há muita formação, mas ainda existe muito preconceito em relação à dança. E contra o Hip-Hop, em especial”, explica.

Sheila recorda, “nessa época foi difícil acreditar que era possível seguir em frente com a minha arte”. Faltavam os apoios, um local fixo para dar aulas. Faltava divulgação. Sobreviveu, essencialmente, “pela amizade de quem cedia o pouco que tinha para ajudar o projecto a continuar”.

- PUB -

Ao entrar nesse “mundo da dança”, Sheila destaca que muitas vezes sentiu uma “falta de visão e credibilidade por parte de quem estava do outro lado. No público”.

Agora, “depois de muitas batalhas”, a professora e bailarina dá passos cada vez mais firmes na dança e na sua cidade. Setúbal.

Para Sheila, dançar é “estar fora do corpo, num contacto natural, universal. Algo mágico”. Uma arte que para a bailarina “vale ouro”.

- PUB -

Mais populares

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Dores Meira acusa PS de falsear realidade sobre estacionamento pago na cidade

Dores Meira não poupa criticas às razões que o PS tem alegado. E aponta-lhe os casos de Lisboa e Almada   O estacionamento pago na cidade...

Morto a tiro em festa na encosta da Bela Vista

Um homem com cerca de 30 anos morreu este domingo baleado com dois tiros numa festa ilegal que decorria na encosta da Bela Vista,...
- PUB -