27 Fevereiro 2021, Sábado
- PUB -
Início Empresas JJ Torcato: Experiência e qualidade

JJ Torcato: Experiência e qualidade

A empresa situada às portas de Palmela fabrica, monta e repara máquinas para os mercados do vinho e azeitona. Pela qualidade que apresenta conquistou o distrito de Setúbal e, aos poucos, também o país

 

- PUB -

 

A história da JJ Torcato começou a escrever-se no longínquo ano de 1956 pelo seu fundador José João Torcato. A primeira unidade de produção estava localizada na vila de Palmela. Com o aumento de produção veio a necessidade de alargar o espaço e, assim, foi construído, há cerca de 40 anos, o actual edifício, mais amplo, mais funcional, mais de acordo com a procura que a firma tinha.

No presente, as operações são dirigidas por João Carlos Cordeiro, estatuto assumido há 28 anos. Recebido o “testemunho” do seu padrinho, fundador da empresa, para dar continuidade a este projecto de cariz familiar, dinamizou e potenciou cada vez mais a JJ Torcato. Neste momento, conta com 12 trabalhadores para fazer um mercado muito específico.

- PUB -

 

 

“Os nossos muitos anos de experiência são muito importantes. Também fundamental é a nossa capacidade de resposta, quer na produção quer no acompanhamento e assistência e a qualidade dos materiais que usamos”

- PUB -

 

 

 

No distrito de Setúbal, a JJ Torcato “não tem concorrência local”, começou por revelar João Carlos Cordeiro a O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO. “Mas não quer dizer que não exista. Temos algumas empresas de fora a tentar este mercado mas o nosso posicionamento dá-nos uma grande vantagem”, acrescenta. Mas não é apenas esse pormenor que faz a diferença na hora do cliente escolher. “Os nossos muitos anos de experiência são muito importantes”, acrescenta.

“Também é fundamental a nossa capacidade de resposta, quer na produção quer no acompanhamento e assistência e a qualidade dos materiais que usamos para fazer o produto final”, realça João Carlos Cordeiro. “No fabrico das máquinas há partes que são importadas mas a maioria é feita por nós”, especifica.

 

“Todos os anos conseguimos novos clientes. Paralelamente temos clientes que querem aumentar a sua estrutura por isso estes são dois ramos de actividade com grande dinâmica”.

 

 

 

O cliente-alvo da JJ Torcato encontra-se em dois mercados distintos; vinhos e azeitonas. “Nos vinhos temos como clientes praticamente todas as adegas da nossa região. Mas também produzimos e montamos máquinas e fazemos reparações de sul a norte do país, com especial incidência na Beira Baixa, Beira Alta e Douro. Na azeitona só fabricamos para a conserva. Aqui, a maioria, quase totalidade, dos clientes estão localizados no Alentejo”, explicou o dirigente.

Com a reputação em alta num mercado de grande dimensão “todos os anos conseguimos novos clientes. Paralelamente, temos clientes que querem aumentar a sua estrutura por isso estes são dois ramos de actividade com grande dinâmica”. De alguma forma sazonal, o período de grande actividade situa-se na segunda metade do ano com as vindimas e a apanha da azeitona. “E, depois, nos outros meses do ano? Mais trabalho. Temos assistências e reparações e, muitas vezes, adiantamos trabalho durante esse período de menor procura. As máquinas são standard, por isso podemos construí-las atempadamente”, acrescenta.

 

“Nos vinhos temos como clientes praticamente todas as adegas da nossa região. Na azeitona só fabricamos para a conserva. Aqui, a maioria, quase totalidade, dos clientes estão localizados no Alentejo”.

 

 

A conversa com João Carlos Cordeiro aconteceu numa fase de intensa laboração da empresa, em pleno período de vindimas, que este ano estão a dar “dores de cabeça” a quase todos os envolvidos neste ramo agrícola. A culpa é do tempo. “A vindima começou mais cedo do que previsto e apanhou-nos de surpresa na altura. Isto numa altura em que se conjugam estas duas áreas, a vindima e a azeitona. Tudo tem corrido mal, mesmo para o viticultores que também tiveram problemas. Mas é uma situação que estamos a conseguir contornar de forma a satisfazer os nossos clientes”.

Recuando no tempo para olhar mais à frente, João Carlos Cordeiro, admite que, face à procura, “necessitávamos de mais espaço. Pensámos em mudar mas hoje já não está nos nossos planos”. Neste momento “esta unidade está paga e mudar significaria construir uma nova e nunca remodelar ou acrescentar espaço a esta. Teríamos de envolver a banca no processo e face à actual conjuntura económica esse é um passo que não queremos dar nesta altura”, justifica. Acrescenta, ainda, que “esta unidade está paga, temos uma situação controlada e queremos continuar a desenvolver o nosso trabalho com tranquilidade de forma a servir os nossos clientes cada vez com maior qualidade”.

A terminar João Carlos Cordeiro, operacional, mas também sócio da JJ Torcato formula um desejo:  perpetuar na sua filha a continuidade da génese familiar da empresa. “Espero que a minha filha possa dar continuidade”, afirma com o esboçar de um sorriso confiante. Para já a filha, Andreia Cordeiro, parece dar os primeiros passos nesse sentido. No presente é parte activa do funcionamento da JJ Torcato, assumindo a gerência juntamente com a sua mãe, Miquelina Cordeiro.

 

Por Luís Pestana 

- PUB -

Mais populares

Morto a tiro em festa na encosta da Bela Vista

Um homem com cerca de 30 anos morreu este domingo baleado com dois tiros numa festa ilegal que decorria na encosta da Bela Vista,...

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Dores Meira acusa PS de falsear realidade sobre estacionamento pago na cidade

Dores Meira não poupa criticas às razões que o PS tem alegado. E aponta-lhe os casos de Lisboa e Almada   O estacionamento pago na cidade...
- PUB -