Rui Garcia apoia desconfinamento especial decidido pelo Governo para a região

29
visualizações
Rui Garcia Foto de arquivo

“Precisamos de desconfinar, mas cumprindo as normas”, diz o autarca. Setúbal reabre rede cultural e Palmela as bibliotecas

 

- Pub -

A região de Lisboa e Vale do Tejo, que inclui a Península de Setúbal, viu adiadas algumas das medidas da terceira fase de desconfinamento anunciadas na última sexta-feira pelo Governo. Decisão que mereceu o apoio de Rui Garcia, presidente da Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS), como mereceria de igual forma caso tivesse sido outra.

“Quem conhece tudo o que se passa são o Governo e as autoridades de saúde. Devemos confiar na decisão, seja em que sentido for”, disse a O SETUBALENSE o responsável pela AMRS, que também preside à Câmara Municipal da Moita, momentos antes da comunicação feita pelo primeiro-ministro António Costa.

“Precisamos de desconfinar, mas cumprindo as normas”, lembrou, sublinhando que as autarquias “devem continuar a colaborar estreitamente com as populações e as autoridades competentes, nas medidas de segurança, de apoio e de acompanhamento muito próximo à reabertura de serviços”, como o do comércio, entre outros. “Cabe-nos contribuir para que as medidas resultem e consigamos travar as cadeias de transmissão”, reforçou o autarca, deixando a receita que considera fundamental para ultrapassar o flagelo.

“É essencial responsabilidade individual, uso de máscaras e distância social. A chave é uma boa articulação entre todos, autarquias, instituições, populações e entidades oficiais. Se todos remarmos para o mesmo lado, vamos conseguir superar esta situação”, frisou, admitindo ao mesmo tempo que o aumento de casos de Covid-19 na AML, em contraciclo com o que se passa nas restantes regiões, inspira “preocupação”.

Cinema e espectáculos em Setúbal

O regime excepcional para a AML nesta fase 3 de desconfinamento implica que a reabertura de centros comerciais e lojas do cidadão seja avaliada na próxima quinta-feira, 4, em conselho de ministros. Analisada, mas em conjunto com os municípios, será também a retoma da actividade das lojas com mais de 400 m2 e das feiras.

Mas o plano de levantamento de restrições contempla outras medidas que entram em vigor a partir de hoje, como a reabertura de equipamentos culturais e de salas de espectáculos, e que não excluem a região de Lisboa e Vale do Tejo.

Setúbal é um dos municípios da península que vai reabrir, já a partir de amanhã, a rede de equipamentos culturais municipais ao público.

“O Fórum Municipal Luísa Todi retoma o cinema às segundas-feiras com o Lauro António Masterclass da História do Cinema, com sessões de entrada gratuita”, anunciou no sábado autarquia, adiantando que “estão também agendados para esta fase de reabertura uma criação do Coro Setúbal Voz e um ciclo de humor com artistas de renome nacional”. Pelo palco vão passar António Raminhos, Pedro Tochas e Ana Arrebentinha, além de Ana Bola e José Pedro Gomes, com o espectáculo “Casal da Treta”.

Já a programação da Casa da Cultura inicia-se no dia 12, “privilegiando actividades ao ar livre (Largo do Sapalinho e Pátio do Dimas)”, mas haverá também “alguns concertos na Sala José Afonso, para uma plateia reduzida e com transmissão online”. Em agenda para este Verão estão vários concertos: Pedro e os Lobos, Remexido, Aníbal Zola e Madalena Palmeirim.

Antes, a partir de dia 8, reabre o Cinema Charlot – Auditório Municipal “com programação regular e capacidade limitada”. Todos estes equipamentos vão apresentar medidas de segurança, aplicadas no âmbito das “exigências próprias do quadro sanitário da pandemia”.

Paralelamente, as reuniões públicas ordinárias da Câmara Municipal de Setúbal previstas para este mês “passam a decorrer numa única sessão, no dia 3, pelas 16h00, nos Paços do Concelho, e fechada ao público”.

Palmela, Almada, Montijo e Odemira

Também a partir de amanhã, a Câmara de Palmela vai reabrir as Bibliotecas Municipais e o Pólo de Marateca.

“O uso de máscara será obrigatório” e a entrada “estará condicionada em função da lotação máxima de cada espaço”, anunciou o município, acrescentando que será permitido “permanecer nas salas por um período máximo de duas horas e utilizar os computadores durante uma hora”.

Em Almada, as reuniões de câmara voltam hoje a ser públicas. A sessão desta segunda-feira está agendada para as 15h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, e é limitada à participação de 12 pessoas (por inscrição). Ainda esta segunda-feira, a autarquia anunciou o retomar dos horários normais de funcionamento nos cemitérios municipais.

Outros municípios como o de Montijo optaram por lançar novas medidas a pensar na nova fase de desconfinamento. O Programa Municipal de Solidariedade, que entre outras acções prevê a criação de um Centro de Acolhimento Autárquico de Emergência para quem fique subitamente desalojado, é disso exemplo.

Odemira, que integra a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral, anunciou o lançamento de dois fundos de emergência, no valor global de 1,25 milhões de euros, um de 500 mil euros para apoio às famílias e outro de 750 mil para apoio às empresas.

Centro de saúde do Samouco volta hoje a abrir aos utentes  

 A extensão do Samouco do Centro de Saúde de Alcochete retoma, a partir desta segunda-feira, a actividade normal, depois de um período em que apenas apresentou o serviço de Área Dedicada a Avaliação de Covid-19.

O anterior horário de funcionamento volta a verificar-se, com abertura das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00, de segunda a sexta-feira. Os utentes vão, assim, dispor das consultas médicas e dos restantes serviços que habitualmente eram prestados na extensão de saúde desta freguesia, mas que nas últimas semanas vinham apenas a ser disponibilizados nas instalações de cuidados primários de Alcochete.

A redução significativa de afluência de utentes à Área Dedicada a Avaliação de Covid-19 no Samouco motivou o fecho deste serviço, informou o Agrupamento dos Centros de Saúde Arco Ribeirinho à Câmara Municipal de Alcochete e à Junta de Freguesia do Samouco.

Comentários

- Pub -