29 Novembro 2020, Domingo
- PUB -
Início Local Almada Câmara de Almada procura soluções com CCDR e Agência do Ambiente para...

Câmara de Almada procura soluções com CCDR e Agência do Ambiente para dar novo élan à Fonte da Telha

O que está neste momento em choque pela pavimentação de um acesso, vai dar origem um plano global de ordenamento

 

- PUB -

A Câmara Municipal de Almada vai reunir esta semana com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), e posteriormente com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) para tentar um acordo de colaboração para organizar a Fonte da Telha e restante linha de costa”, adianta o vereador Miguel Salvado, responsável pelo pelouro da Rede Viária do concelho.

Nestas reuniões, a autarquia quer também perceber os critérios destes dois organismos para chumbarem a obra de pavimentação, com betuminoso semipermeável, do acesso às praias do lado sul da Fonte da Telha, patrocinada pela autarquia, em Junho.

Em recente resposta à Câmara de Almada, a CCDR-LVT defende que esta estrada está em zona de Reserva Ecológica Nacional (REN), pelo que a cobertura usada no acesso é “desadequada às características do território”. O mesmo considera a APA, também em resposta a ofício da autarquia, onde refere que as características naturais de permeabilidade da formação geológica daquela área “foram severamente degradadas”, com esta obra.

- PUB -

No entanto, “claramente não mandam levantar a pavimentação da estrada”, afirma o vereador Miguel Salvado. E se tal acontecesse “era devolver os buracos à Fonte da Telha”.

Reafirmando que a APA, “acompanhou” a obra através de “documentação e no terreno”, tendo inclusivamente “avançado com sugestões” e “nunca mandou parar a obra”, o que também aconteceu com a CCDR-LVT que “no decorrer desta intervenção foi informada” das condições da mesma, sem “nunca se ter pronunciado”, o vereador não esconde que a Câmara de Almada recebeu com “perplexidade” os pareceres negativos, que lhe chegou à cerca de duas semanas. Isto sobre uma obra que terminou em Julho.

O parecer da CCDR-LVT sobre a operação ordenada pela Câmara de Almada, reconhece que a pavimentação da estrada, sobre um acesso já existente há cerca de 50 anos, veio “parcialmente organizar o estacionamento”- embora este “continue desorganizado para nascente – e reconhece a “necessidade de intervenção no local” e o seu “caracter de urgência”, apresentado pela autarquia devido à pandemia. O que não aceita é a solução de pavimento usada pela Câmara de Almada.

- PUB -

Para a CCDR-LVT “deviam ter sido adoptadas soluções inequivocamente transitórias”, nomeadamente, quanto à “delimitação do acesso e das áreas de parqueamento automóvel com estruturas amovíveis”. A mesma posição tem a APA que, refere o vereador, “tem função de fiscalização”.

Ora “provisório e transitório” é o entendimento que a Câmara de Almada tem sobre esta obra de pavimentação do acesso. “Sempre o dissemos porque temos noção que a Fonte da Telha precisa de um plano global de intervenção”, explica o vereador que justifica a urgência da obra com o decreto lei de Maio que, devido à Covid-19 “obriga as câmaras a reordenar o estacionamento e o acesso às praias e a promover o distanciamento social”, e “foi o que a Câmara fez”.

Estrada resiste à depressão Bárbara

Quanto à CCDR-LVT, que não concordar com o tipo de material usado para revestir este acesso – antes em terra batida -, que deveria ser em “inertes que lhe confiram natureza permeável ou semipermeável para assegurar a infiltração das águas”, Miguel Salvado garante que o composto utilizado “é permeável”. Aliás, melhor prova disso foi a bátega provocada pela depressão Bárbara, este mês, em que “não existiram águas paradas na estrada”, tendo estas “escorrência natural para a lateral da areia da praia, e absorvidas”.
Pelo contrário, no troço que, há anos está empedrado, houve concentração de águas”. “Isto não é uma opinião técnica, é um facto e existem imagens a comprová-lo”, afirma.
Outra questão que Miguel Salvado realça é a CCDR-LVT argumentar com o facto desta estrada estar em zona de REN e “nada referir sobre as casas na Fonte da Telha que também estão em REN”, estas e os “parques de campismo na Costa da Caparica que estão em cima de duna dinâmica”. São questões a esclarecer na reunião com a CCDR-LVT.

Segundo o vereador, existe um ponto comum entre a posição da CCDR-LVT, a APA e a Câmara de Almada; a necessidade de existir um plano global de ordenamento da Fonte da Telha, tanto para a linha de praias como para a zona habitada. E este estudo já está a decorrer, tendo sido solicitado pela autarquia à Faculdade de Ciências e Tecnologia, no Monte de Caparica, tanto para a Fonte da Telha como para a restante zona de costa. “Tem de existir uma base científica para se poder decidir”.

Primeiras habitações consideradas no estudo

Adianta o vereador que esse estudo elaborado por um grupo de académicos, na zona central da Fonte da Telha, vai ter em conta muito mais do que a estrada – se fica onde está, ou se tem de ser recuada, o que irá colidir com as casas ali existentes – mas também “considerar uma zona urbana para alojar as pessoas que realmente vivem na Fonte da Telha em primeira habitação, apoios da arte de pesca e concessionários de praia”.

No caso dos concessionários, diz Miguel Salvado que o Programa da Orla Costeira de Alcobaça-Cabo Espichel, relativo ao Plano de Intervenção de Praia, considera que “apenas podem ficar os apoios de praia Bambu, Rampa e Kailua, os outros têm de ser reposicionados”.

Perante todo este leque de questões para ordenamento a Fonte da Telha, o vereador Miguel Salvado espera que das reuniões com a CCDR-LVT e APA surja uma “parceria de colaboração que respeite tanto o ambiente como as pessoas”.

“Queremos um diálogo franco sobre este plano que está a ser estudado pela FCT e se crie uma linha de actuação estratégica”, mais ainda quando com “o muito que há a fazer nesta extraordinária” linha de costa, “poderá ser considerado recorrer a financiamentos tanto da autarquia, como do Estado, ou mesmo de um quadro comunitário europeu; estamos cá para isso”.

- PUB -

Mais populares

St. Peter’s: Investimento de 4,6 milhões abre a porta a mais de 200 alunos

Novo edifício projectado para Setembro de 2021 permitirá também ao colégio ter alunos em regime de internato Nas actuais instalações, na Volta da Pedra, Palmela,...

Investigador do Politécnico de Setúbal entre os mais citados em todo o mundo

O professor Vítor Pires é um dos 37 portugueses que integram a lista especial da Universidade de Stanford   Vítor Fernão Pires, docente da Escola Superior...

Serviços municipais passam para antigo Lidl

Obras de reabilitação do futuro equipamento arrancam em Janeiro O concurso para a reabilitação do edifício ocupado anteriormente pela superfície comercial LIDL, na Quinta da...
- PUB -