Centro Hospitalar Barreiro Montijo. Hospitalização da área cirúrgica teve internamento de 70 doentes em seis meses

34
visualizações

Objectivo passa por promover bem-estar e qualidade de vida

 

- Pub -

A Unidade de Hospitalização da Área Cirúrgica (UGDAC) do Centro Hospitalar Barreiro Montijo (CHBM), assinalou no final da última semana, os seus primeiros seis meses de actividade, período em que foram internados um total de 70 doentes, com uma média de idade a rondar os 65 anos.

Esta unidade, refira-se, destina-se aos doentes do serviço de cirurgia geral que “tenham uma situação clínica transitória e estável nas patologias do pé diabético, trombose venosa profunda e diverticulites”, e que aceitam de forma voluntária a hospitalização domiciliária, tendo como objecivo principal “promover o seu bem-estar e a sua qualidade de vida”. Aquele serviço é composto por uma equipa multidisciplinar, da qual fazem parte médicos, enfermeiros, um nutricionista, bem como um farmacêutico e assistente social.

De acordo com o CHBM, a unidade “garante o atendimento contínuo, 24 horas por dia”, diariamente, aos doentes “que residam na área de influência directa” do centro hospitalar, nomeadamente, em Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo.

A Unidade de Hospitalização Domiciliária “presta cuidados de nível hospitalar, definindo um plano individual para cada doente, em articulação com a equipa clínica hospitalar que acompanhou o mesmo até ao momento da hospitalização domiciliária”, explica aquela instituição. De seguida, articula com os diversos serviços do CHBM, para garantir “o acesso aos exames e tratamentos necessários para o doente e com os demais prestadores de cuidados de saúde, assegurando uma transição progressiva para os cuidados de saúde primários” ou “para a Rede Nacional de Cuidados Continuados”, revelou aquela unidade de saúde.

O estabelecimento acrescenta que os doentes podem ainda “ser referenciados na sequência de um episódio de internamento hospitalar, da admissão através do serviço de urgência, do hospital de dia ou da consulta”, podendo também “existir referenciação directa a partir dos cuidados de saúde primários ou dos cuidados continuados integrados”.

Comentários

- Pub -