Correaria JP: Produtos em couro são estrelas em negócio de família desde 1914

60
visualizações

Dos arreios e albardas, que hoje têm pouca saída, a loja evoluiu, dentro dos antigos ofícios, para a produção de peças em cortiça

“A Correaria JP é uma loja centenária, da qual eu sou proprietário há 27 anos”, diz-nos João Paulo Pereira, herdeiro do negócio de família de produção e comércio de artigos em pele e cortiça, em Santiago do Cacém.

- Pub -

“A correaria foi aberta pelas mãos do meu avô paterno”, conta, por volta de 1914. Este, natural de Ferreira do Alentejo, mudou-se para Santiago do Cacém na sua juventude, e abriu uma loja, dedicando-se “ao comércio de arreios e albardas para os animais, que eram na altura os meios de transporte”.

Na mesma rua, mudou de instalações para umas maiores, onde é hoje ainda a loja e, “iniciou o fabrico de colchões”, numa altura em que empregava quatro pessoas. Porém, expôs João Paulo, “com o evoluir dos tempos, o seu volume de vendas começou a diminuir”, e, “de quatro filhos, apenas o [seu] pai se dedicou a dar continuidade a esta actividade.”

Seguindo os passos do progenitor, o actual proprietário da correaria, diz ter crescido no meio e por isso ter ganho gosto pela área. Começou “por trabalhar em couro, a fazer cintos, carteiras, pastas, dando continuidade ao fabrico dos arreios e das coleiras para os animais”. No entanto, explicou, teve de inovar. “Na sociedade em que vivemos temos que inovar para um negócio tradicional sobreviver. De há 10 anos para cá, a Correaria JP dedicou-se ao fabrico de peças em cortiça, mas mantendo sempre a sua essência, que são os produtos em couro.”

João Paulo dedica-se então à produção de artigos para uso pessoal como malas, para decoração do lar, como almofadas e faz “alguns prémios para eventos culturais e desportivos”. E mais acrescentou que também se dedicam “a algumas restaurações de artigos de pele.” Embora trabalhe sozinho no fabrico, “para a promoção e as vendas dos artigos”, conta com a colaboração da esposa e dos filhos. Quanto à continuidade do negócio por parte do legado, a resposta é incerta, acredita que é possível que continuem optando por um “talvez”, com cada filho em sua função – produção e gestão de vendas.
João Paulo acredita que o ponto forte daquilo que faz, é “o orgulho [que tem] de manter vivo o negócio centenário” e, a tentativa de “acompanhar as mutações do mercado”. Já como maior adversidade, indica o facto de a população não dar grande valor ao que é nacional e ao fabrico artesanal.

A Correaria JP tem lugar na famosa Rua das Lojas, em Santiago do Cacém, isto é, na Rua General Humberto Delgado. João Paulo diz continuar com o negócio para “dar continuidade ao projeto estabelecido” pelos familiares, de forma a homenageá-los e “para manter viva a tradição dos antigos ofícios”, mesmo com as dificuldades que existem.

Comentários

- Pub -