Autarca de Alhos Vedros visita obras em curso no campo do CRI

31
visualizações

Num momento marcado por dificuldades, a presidente daquela Junta de Freguesia foi conhecer a realidade do clube

 

- Pub -

A presidente da Junta de Freguesia de Alhos Vedros, Eli Rodrigues, efectuou na última semana uma visita ao Parque Desportivo Artur Ferreira Gouveia, pertencente ao Clube de Recreio e Instrução (CRI) e situado junto à urbanização Vila Rosa, para se inteirar da situação vivida pela colectividade, nos últimos meses, devido à pandemia Covid-19. Em declarações a O SETUBALENSE, a autarca alhosvedrense explicou que a visita permitiu “conhecer a realidade da colectividade”, mas também, as “dificuldades que estão a atravessar”, tendo sido feito um ponto de situação relativamente aos impactos do novo coronavírus naquele clube, tanto a nível financeiro, como nas “actividades desenvolvidas na área da formação desportiva dos jovens”.

Apesar do futebol do CRI se encontrar parado, as obras que estão a decorrer junto ao recinto continuam a avançar, com alguns dos seus responsáveis, entre os quais o próprio presidente da Direcção, João Brito, a “arregaçarem as mangas e a colocarem a mão na massa”. A presidente sublinhou que, neste momento, estão “a ser feitos os balneários, uma sala destinada aos árbitros e outra para a Direcção”, obras que o clube considera serem necessárias ao desenvolvimento das infraestruturas daquele parque desportivo.
Eli Rodrigues revelou ainda que o futuro passa pela criação, no local, de uma nova sede que ainda se encontra em projecto e, futuramente, contam criar “um segundo campo de futebol” naquela zona. “Fiquei bastante satisfeita com o que vi, porque percebi que ali ainda existe aquele espírito de colectividade, onde são os próprios que ajudam a construírem os espaços”, contando apenas com alguns apoios das autarquias locais. “Vermos os sócios a ajudarem a erguer as próprias infraestruturas do clube, é algo que já não se vê em muitas colectividades”, destacou.

Colectividades vivem dias difíceis

Na altura, a presidente adiantou que as restantes colectividades da freguesia também estão “a atravessar algumas dificuldades” e que, actualmente, apesar do município já ter feito chegar a estas instituições todos os apoios relacionados com os efeitos provocados pela pandemia, solicitou às mesmas “uma lista com todas as despesas de água e luz que tiveram desde Março”, para poderem ver reforçados os seus apoios por parte do município.

“Também a Junta tem contactado com cada instituição para, na medida do possível, sabermos qual a ajuda que podemos dar para minorar os efeitos causados pelo encerramento dos espaços neste período”, concluiu a responsável.

Comentários

- Pub -