PCP apresenta plano de emergência para o SNS no Hospital do Montijo

23
visualizações

Comunistas passaram pelas principais unidades hospitalares da Península de Setúbal para darem a conhecer mais de uma dezena de medidas

 

- Pub -

O reforço das transferências do Orçamento do Estado e fim da aplicação da Lei dos Compromissos na Saúde é uma das várias medidas que constam no Plano de Emergência para o SNS que o PCP apresentou no passado dia 28 no Hospital do Montijo. A acção contou com a participaçao da vereadora da CDU Ana Baliza.

O plano visa reforçar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), após “análise rigorosa do trabalho realizado nos últimos meses, das experiências recolhidas, das necessidades identificadas e dos meios necessários para combater o surto epidémico e regularizar a actividade normal” do referido serviço, explica o PCP em nota de Imprensa.

O documento defende a “mobilização e modernização da capacidade de diagnóstico e terapêutica instalada através da internalização nos hospitais dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica”, bem como a recuperação ´”até ao fim de 2020 de todos os actos que ficaram suspensos ou foram adiados”. O reforço “dos recursos humanos do SNS”, a “formação de especialização para todos os médicos”, o aumento da “capacidade instalada de mais camas de agudos e cuidados intensivos”, além do alargamento do “número de camas de cuidados continuados e paliativos” são outros pontos que o PCP defende no plano.

Ao mesmo tempo, os comunistas pretendem ver garantidos “equipamentos de protecção individual para todos os profissionais de saúde, assim como testes serológicos”, o “aumento da dotação global para a saúde mental” e a adopção de “uma estratégia nacional de segurança e saúde no trabalho”.

A existência de “serviços de medicina do trabalho em todos os estabelecimentos de saúde”, a “concretização da criação do Laboratório Nacional do Medicamento”, a constituição de “uma reserva estratégica de medicamentos e dispositivos” e a produção em Portugal de “equipamentos de protecção individual, materiais clínicos, equipamentos médicos, medicamentos e reagentes” são as outras medidas que o PCP defende.
Paralelamente, os comunistas reivindicam ainda “a necessária urgência da construção do Hospital no Concelho do Seixal e de um novo hospital para servir os concelhos de Montijo e Alcochete”.

A acção de apresentação do Plano de Emergência para o SNS, além de ter sido realizada no Hospital do Montijo, teve também lugar no Garcia de Orta, em Almada, no S. Bernardo, em Setúbal e na unidade hospitalar N. Sra. do Rosário, no Barreiro.

Comentários

- Pub -