Grupo empresarial com sede no Montijo vai construir a maior obra de Bragança

237
visualizações

Foi a única a candidatar-se à construção do Museu da Língua Portuguesa. Autarquia nortenha já aprovou adjudicação da obra

A construção do Museu da Língua Portuguesa, em Bragança, vai ser adjudicada por cerca de 10 milhões de euros à Elevolution Portugal ACE, que está sediada no Montijo. O prazo de execução da empreitada é de 18 meses.

- Pub -

O grupo empresarial com sede no número 9 da Rua José Joaquim Marques foi o único a candidatar-se ao concurso público, lançado em Maio último pela Câmara Municipal de Bragança, para construção daquela que é a maior obra do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) do concelho nortenho.

A Elevolution apresentou uma proposta de 9 milhões e 280 mil euros, a que acresce IVA, montante abaixo do valor base do concurso.

A entrega da empreitada já foi aprovada, por unanimidade, em reunião de Câmara. De acordo com o relatório do júri, “não foi apresentada qualquer objecção” à decisão, pelo que se segue, segundo os pressupostos do concurso, a habilitação da empresa, que tem “10 dias” para apresentar os documentos.

A empresa terá também de prestar uma caução correspondente a 5% do valor do contrato de adjudicação que só vai ser formalizado depois do visto do Tribunal de Contas.
A expectativa do presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, é a de que, “até ao final de 2020, o processo esteja finalizado e pronto para avançar para obra”.
O Museu da Língua Portuguesa de Bragança é um equipamento único em Portugal, sendo este o segundo museu dedicado à Língua Portuguesa, depois do existente no Brasil.

O projecto com mais de uma década tem sido “complexo”, desde a idealização até à aquisição do próprio espaço onde vai ficar instalado, nos antigos silos da EPAC, em Bragança.

O município levou quase dois anos a negociar a compra dos silos à Direção Geral do Património, concretizando-a com um valor de 613 mil euros.

A ideia da criação deste espaço idêntico ao que existe no Brasil surgiu, em 2009, nos colóquios da Lusofonia organizados em Bragança.

O projecto contempla a recuperação dos antigos silos, um novo corpo acoplado e conteúdo expositivo. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu o patrocínio da Presidência ao projecto, numa visita a Bragança, em 2016.

 

Comentários

- Pub -