1 Dezembro 2020, Terça-feira
- PUB -
Início Local Palmela Jerónimo de Sousa no Pinhal Novo: abstenção é “apenas e só” para...

Jerónimo de Sousa no Pinhal Novo: abstenção é “apenas e só” para discutir Orçamento na especialidade

PCP vai “lutar até ao fim” para que Governo recue na meta do défice e aceite mais rendimentos e medidas sociais

 

- PUB -

O secretário-geral do PCP avisou no Pinhal Novo, no sábado, que a abstenção anunciada pelo partido visa “apenas e só” fazer passar o Orçamento do Estado de 2021 a “outra fase de discussão” e recusou estar garantido um voto que ajude a aprová-lo.

 

Jerónimo de Sousa escolheu o encontro de quadros comunistas da região de Setúbal para justificar a abstenção na votação na generalidade do Orçamento e reconhecer que o Governo fez “algumas aproximações, muito parcelares e limitadas” e concluiu que o documento “não responde, de facto, às exigências do país”.

- PUB -

“A abstenção que anunciámos nesta fase da discussão permite, apenas e só, passar a outra fase da discussão”, afirmou, acrescentando que “o sentido de voto final” vai depender da “avaliação da versão final do orçamento” face à “resposta global” dos problemas do país.

Segundo Jerónimo de Sousa, “a opção de dar prioridade à redução do défice”, em três pontos percentuais, é “uma opção que nega aos país seis mil milhões de euros, demonstrando que há recursos para responder ao que o país precisa”.

Para o secretário-geral comunista, a opção do Governo pela redução do défice é “errada em quaisquer circunstâncias” mas torna-se “particularmente grave e incompreensível na actual situação” de crise decorrente da pandemia.

- PUB -

Jerónimo chamou a atenção de que o “Governo não está apenas a trabalhar para o défice de 2021”, que “está a faze-lo já hoje, com adiamento e incumprimento de várias matérias” e “não concretizando ou adulterando várias decisões da Assembleia da República”.

Os comunistas reconhecem que a proposta de Orçamento de Estado que o Governo entregou no Parlamento já se “aproximou parcialmente” de algumas propostas do partido – designadamente “o aumento de todas as pensões até 658 euros, em 10 euros, a parir de dia 1 de Janeiro, a consideração do subsidio de penosidade e risco para os trabalhadores das autarquias ou a criação de uma nova prestação social extraordinária” – mas consideram que estas “aproximações” são “muito parcelares” e “limitadas”, pelo que estão “longe de dar garantias”.

Jerónimo de Sousa elencou as exigências de que depende a o voto favorável do PCP na especialidade. Além do aumento do salário mínimo para os 850 euros, o aumento “geral, para todos os trabalhadores”, valorização das carreiras e a revogação das “normas gravosas” da legislação laboral. O partido pretende ainda a contratação de médicos, enfermeiros, “milhares de profissionais” de outros serviços públicos, alargamento do subsídio de desemprego, em valores e prazo de pagamento, a criação de vagas na rede pública de creches e lares em 2021, o alargamento dos escalões do ISR, assim como medidas para as pequenas e médias empresas.

São, disse, “soluções indispensáveis que o PCP tem defendido, soluções que contrastam com as limitações da proposta de orçamento, mas que não deixarão de estar presentes no debate na especialidade”.

A votação na especialidade do Orçamento do Estado de 2021 está agendada para quarta-feira, na Assembleia da República, e, se for aprovado, segue-se um período de especialidade, ao pormenor, antes da votação final global, prevista para 26 de novembro.

O Governo do PS está a negociar com os partidos de esquerda – Bloco de Esquerda, PCP, Partido Ecologista “os Verdes” (PEV) e o partido Pessoas-Animais Natureza (PAN), mas não há ainda garantias públicas de que venha a ser aprovado.

- PUB -

Mais populares

St. Peter’s: Investimento de 4,6 milhões abre a porta a mais de 200 alunos

Novo edifício projectado para Setembro de 2021 permitirá também ao colégio ter alunos em regime de internato Nas actuais instalações, na Volta da Pedra, Palmela,...

Denúncia de alegada fraude fiscal de Paulo Rodrigues seguiu para as Finanças

Em causa as comissões recebidas pelo agora presidente do Vitória quando era empresário.   O SETUBALENSE teve acesso à documentação remetida esta semana por um sócio...

Ginjal promete dar mais élan a Cacilhas e fazer ‘inveja’ à margem norte

Uma nova cidade vai nascer na beira Tejo de Almada com espaços para promover o turismo, promoção cultural e zona habitacional A proposta relativa ao...
- PUB -