2 Março 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Local Seixal Vereação exige que Governo ‘empurre’ ponte pedonal entre Seixal e Barreiro

Vereação exige que Governo ‘empurre’ ponte pedonal entre Seixal e Barreiro

A ponte pedonal/ciclável entre o Seixal e Barreiro foi tema forte na última reunião de Câmara do Seixal. Só no último minuto os vereadores socialistas revelaram a sua decisão. Os eleitos pela CDU acreditam que o Governo PS não quer esta ligação

 

- PUB -

A vereação da Câmara do Seixal subscreveu, por unanimidade, a tomada de posição que reclama a construção da Ponte Pedonal e Ciclável Seixal-Barreiro. A decisão foi tomada na reunião de Câmara de quarta-feira, e esteve em suspense até ao fim o debate. Durante uma hora os quatro vereadores socialistas ‘esconderem’ qual a sua posição.

A deduzir pelas intervenções do PS tudo indicava que iria no sentido da decisão do presidente socialista da Câmara do Barreiro, Frederico Rosa, que ao ser confrontado com o inesperado aumento do custo desta ligação em mais de 2 milhões de euros, passou por cima do protocolo assinado por Joaquim Santos e o então presidente do município barreirense, Carlos Humberto, e veio dizer que tem de “reequacionar o projecto”.

Em Junho de 2017 os dois presidentes comunistas assumiam construir esta ligação dividindo verbas municipais. Seriam 4 milhões de euros, tendo 2 milhões de comparticipação.

- PUB -

“Os eleitos do PS no Seixal estão a ‘barreirizar-se’ em vez de defenderem os interesses da nossa população”, comentava o presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos. Ao mesmo tempo os vereadores socialistas afirmavam-se “a favor” da construção desta ligação entre os dois concelhos, mas apoiavam as razões do edil do Barreiro sobre existirem “outras prioridades”.

“Todos concordamos que se faça a ponte na rede suave de mobilidade, mas uma coisa é custar 4 milhões de euros e, por erro do projecto, ascender para 6 milhões de euros”, referia o socialista Marco Teles.

Recorde-se que a Administração do Porto de Lisboa (APL) recusou o projecto da ponte alegando que esta tinha de ser elevada mais 20 metros, passando para os 60 metros para assegurar a passagem de certos navios. Uma avaliação que o vereador comunista Joaquim Tavares chamou de ‘burricracia’, é que os maiores navios que vão passar por debaixo da ponte são os da Soflusa, e estes passam”. Para o vereador a verdadeira razão é que “o Governo socialista não quer esta ponte”.

- PUB -

Para além da ponte pedonal/ciclável, a tomada de posição exige que o Governo avance com a ponte rodoviária entre os dois concelhos, inscrita no Plano Rodoviário 2000. Exigência que motivou o vereador socialista Eduardo Rodrigues a sugerir que em vez de três pontes a fazerem uma ligação de 800 metros, é preferível construir apenas a ponte “rodoviária e ferroviária”.

Fazendo contas, o socialista chegou a admitir a construção de uma ponte única com as três vertentes, pedonal/ciclável, rodoviária e ferroviária. Considerando que a ponte rodoviária tem um custo previsto de 15 milhões de euros e será construída pelo Estado, e que a pedonal/ciclável custará 6 milhões de euros, “por uma diferença de 9 milhões de euros, é de construir uma ponte com todas as vertentes”, avaliza.

Quanto à comparticipação de 2 milhões de euros, via FEDER, para a ponte pedonal/ciclável, o vereador socialista diz que esta verba não é de perder, podendo ser canalizada para outros projectos para ambos os concelhos.. Mas na sua intervenção reconheceu que gosta da ponte de modo suave.

O debate só decorreu mesmo entre os eleitos da CDU e PS, porque tanto o eleito do PSD como o do BE apenas disseram estar de acordo com a tomada de posição. Ficou assim decidido que a Câmara do Seixal “reitera a necessidade absoluta de concretização da Ponte para a Ligação Pedonal e Ciclável”, para “garantir as ligações de actividades económicas à rede local, regional, nacional e internacional”.

Assim como “exigir que o Governo avance com o processo de construção das pontes rodoviária e ferroviária entre o Seixal e o Barreiro, conforme está previsto no Plano Rodoviário e no contrato de concessão do Metro Sul do Tejo”.

- PUB -

Mais populares

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Incêndio destrói cozinha de habitação na Avenida Bento Gonçalves

Um incêndio deflagrou hoje numa habitação situada na Avenida Bento Gonçalves, em Setúbal, tendo provocado a destruição completa da respectiva cozinha, uma vez que...

CDU vai lançar André Martins à presidência da Câmara Municipal de Setúbal

A CDU vai avançar com André Martins como candidato à presidência da Câmara Municipal de Setúbal nas autárquicas deste ano. O nome do actual...
- PUB -