Covid-19: Mais 158 famílias de Sesimbra dependentes de apoio alimentar

31
visualizações

A Câmara de Sesimbra (Setúbal) está a entregar cabazes alimentares a 158 famílias que se juntam aos 500 agregados familiares que já recebiam apoio da rede alimentar do concelho antes da covid-19, anunciou hoje a autarquia.

- Pub -

“Entre 16 março e 24 de abril foram entregues 495 cabazes a 158 famílias, 60 na freguesia da Quinta do Conde e 98 nas freguesias do Castelo e Santiago”, disse à agência Lusa fonte do município de Sesimbra, lembrando que a rede alimentar do concelho já ajudava, e continua a apoiar, cerca de 500 agregados familiares antes da pandemia.

Segundo uma nota de imprensa da Câmara de Sesimbra, os cabazes alimentares de emergência incluem carne, pão e legumes frescos (bens essenciais que têm sido doados por padarias, talhos e mercearias locais), mas também produtos de higiene pessoal e doméstica, recolhidos através de uma campanha a decorrer nos minimercados e grandes superfícies do concelho, dinamizada pelas juntas de freguesia.

A distribuição dos cabazes alimentares está a ser feita a partir de dois polos de distribuição, um em Sesimbra, no Centro Paroquial do Castelo, e outro na Quinta do Conde, através do Grupo de Voluntariado Encontra a Esperança.

A Câmara de Sesimbra salienta que alguns idosos e pessoas com problemas de saúde recebem os cabazes alimentares no domicílio, que são entregues por equipas da autarquia, da Junta de Freguesia do Castelo e das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) envolvidas.

“Já distribuíamos cerca de 500 cabazes mensais a famílias carenciadas, antes desta crise. O número de pedidos aumentou e, neste momento, tem sido garantido o apoio às famílias e aos idosos isolados que o têm solicitado”, refere, no comunicado, a vereadora da Ação Social da Câmara de Sesimbra, Felícia Costa.

“Além da distribuição de cabazes alimentares de emergência, a autarquia está também a entregar ao domicílio, diariamente, 324 refeições escolares a 113 famílias carenciadas que têm crianças a frequentar os estabelecimentos de ensino do concelho”, acrescenta o comunicado.

Lusa

Comentários

- Pub -