1 Dezembro 2020, Terça-feira
- PUB -
Início Local Sesimbra Centro Comunitário da Quinta do Conde cria grupo dedicado à ecologia

Centro Comunitário da Quinta do Conde cria grupo dedicado à ecologia

Projecto começou em Julho deste ano e quer dar expressão à cidadania ecológica

 

- PUB -

Destinado a todos os que gostam de proteger a natureza e o ambiente a partir da sua própria comunidade, o eco grupo para a Transição Ecológica Voluntária – TrEVo nasceu oficialmente a 31 de Julho, pela vontade de “cuidar melhor do planeta Terra, a nossa casa comum”. Foi criado pelo Centro Comunitário da Quinta do Conde e está neste momento a dar os seus primeiros passos enquanto grupo ecológico.

“O nosso objectivo é que consigamos fazer uma transição para um futuro mais sustentável pela educação, sensibilização e despertar para estas realidades e não com base em multas e obrigações”, começa por dizer David Cordeiro, um dos fundadores, a par da sua mãe, do eco grupo, a O SETUBALENSE. “Pretendemos garantir a sustentabilidade futura em todos os aspectos. Não somos um grupo ambiental mas sim um eco grupo, uma vez que a ecologia é a relação entre o ambiente e os seres vivos e a relação entre os seres vivos entre si”, adianta.

Tudo começou com uma página na rede social Facebook, com o nome “Hello Biodiversidade”, e hoje o TrEVo divide-se em quatro núcleos de acção, entre a protecção dos animais; a preservação dos ecossistemas e da biodiversidade, urbanismo ecológico, arborização e espaços verdes; a gestão de resíduos e a descarbonização e a gestão sustentável dos recursos naturais, o consumo responsável e a cooperação ecológica.

- PUB -

“Apoiamos ainda o comércio local e as famílias. Uma família que não tenha capacidade financeira vai ao supermercado e pode não poder comprar o que é mais sustentável porque muitas vezes é mais caro”, explica, frisando que o lema “pensar global, agir local” é “um dos princípios do TrEVo, por considerar que “a transformação só poderá acontecer assim”.

A pandemia está agora a limitar a acção do grupo, que até ao momento apenas realizou a acção “NossoChãoSemLixo”. “Estávamos a pensar fazer uma nova caminhada, uma vez que tínhamos várias pessoas interessadas em participar, mas ficámos novamente reduzidos a grupos de cinco pessoas”, conta.

Nem por isso as ideias escasseiam. Em cima da mesa está a realização de um documentário que reúne entrevistas a vários idosos do Centro Comunitário sobre a relação que estabelecem com os seus animais: “Muitas das vezes os idosos vão para os lares e não podem continuar com os animais e nós ficámos interessados sobre essa parte: o que é que acontece aos animais quando os idosos deixam de poder estar com eles?”. Entre os planos para o futuro está ainda uma recolha de alimentos para animais, para ajudar a associação PUCA, da Quinta do Conde, e a Matilha do Pinhal do General, sem esquecer o objectivo de tornar o próprio Centro Comunitário da Quinta do Conde “uma instituição mais sustentável”, com a criação de uma horta urbana e a redução do desperdício alimentar.

Artigo anteriorCovid-19: a fadiga
Próximo artigoA Covid-19 e os outros
- PUB -

Mais populares

St. Peter’s: Investimento de 4,6 milhões abre a porta a mais de 200 alunos

Novo edifício projectado para Setembro de 2021 permitirá também ao colégio ter alunos em regime de internato Nas actuais instalações, na Volta da Pedra, Palmela,...

Denúncia de alegada fraude fiscal de Paulo Rodrigues seguiu para as Finanças

Em causa as comissões recebidas pelo agora presidente do Vitória quando era empresário.   O SETUBALENSE teve acesso à documentação remetida esta semana por um sócio...

Ginjal promete dar mais élan a Cacilhas e fazer ‘inveja’ à margem norte

Uma nova cidade vai nascer na beira Tejo de Almada com espaços para promover o turismo, promoção cultural e zona habitacional A proposta relativa ao...
- PUB -