1 Março 2021, Segunda-feira
- PUB -
Início Local Sesimbra Centro Comunitário da Quinta do Conde cria grupo dedicado à ecologia

Centro Comunitário da Quinta do Conde cria grupo dedicado à ecologia

Projecto começou em Julho deste ano e quer dar expressão à cidadania ecológica

 

- PUB -

Destinado a todos os que gostam de proteger a natureza e o ambiente a partir da sua própria comunidade, o eco grupo para a Transição Ecológica Voluntária – TrEVo nasceu oficialmente a 31 de Julho, pela vontade de “cuidar melhor do planeta Terra, a nossa casa comum”. Foi criado pelo Centro Comunitário da Quinta do Conde e está neste momento a dar os seus primeiros passos enquanto grupo ecológico.

“O nosso objectivo é que consigamos fazer uma transição para um futuro mais sustentável pela educação, sensibilização e despertar para estas realidades e não com base em multas e obrigações”, começa por dizer David Cordeiro, um dos fundadores, a par da sua mãe, do eco grupo, a O SETUBALENSE. “Pretendemos garantir a sustentabilidade futura em todos os aspectos. Não somos um grupo ambiental mas sim um eco grupo, uma vez que a ecologia é a relação entre o ambiente e os seres vivos e a relação entre os seres vivos entre si”, adianta.

Tudo começou com uma página na rede social Facebook, com o nome “Hello Biodiversidade”, e hoje o TrEVo divide-se em quatro núcleos de acção, entre a protecção dos animais; a preservação dos ecossistemas e da biodiversidade, urbanismo ecológico, arborização e espaços verdes; a gestão de resíduos e a descarbonização e a gestão sustentável dos recursos naturais, o consumo responsável e a cooperação ecológica.

- PUB -

“Apoiamos ainda o comércio local e as famílias. Uma família que não tenha capacidade financeira vai ao supermercado e pode não poder comprar o que é mais sustentável porque muitas vezes é mais caro”, explica, frisando que o lema “pensar global, agir local” é “um dos princípios do TrEVo, por considerar que “a transformação só poderá acontecer assim”.

A pandemia está agora a limitar a acção do grupo, que até ao momento apenas realizou a acção “NossoChãoSemLixo”. “Estávamos a pensar fazer uma nova caminhada, uma vez que tínhamos várias pessoas interessadas em participar, mas ficámos novamente reduzidos a grupos de cinco pessoas”, conta.

Nem por isso as ideias escasseiam. Em cima da mesa está a realização de um documentário que reúne entrevistas a vários idosos do Centro Comunitário sobre a relação que estabelecem com os seus animais: “Muitas das vezes os idosos vão para os lares e não podem continuar com os animais e nós ficámos interessados sobre essa parte: o que é que acontece aos animais quando os idosos deixam de poder estar com eles?”. Entre os planos para o futuro está ainda uma recolha de alimentos para animais, para ajudar a associação PUCA, da Quinta do Conde, e a Matilha do Pinhal do General, sem esquecer o objectivo de tornar o próprio Centro Comunitário da Quinta do Conde “uma instituição mais sustentável”, com a criação de uma horta urbana e a redução do desperdício alimentar.

Artigo anteriorCovid-19: a fadiga
Próximo artigoA Covid-19 e os outros
- PUB -

Mais populares

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Morreu o homem do mar Lídio Galinho

Lídio Galinho, homem ligado à pesca na Costa de Caparica, morreu hoje, durante a tarde, vítima de covid-19, no Hospital Garcia de Orta, em Almada

GNR apreende quase cinco toneladas de sardinha em Sesimbra

A Unidade de Controlo Costeiro da GNR, através do Subdestacamento de Controlo Costeiro de Setúbal, apreendeu esta terça-feira 4 950 quilos de sardinha, no...
- PUB -