Navio vindo da China parado na Lisnave está controlado pelas autoridades de saúde

128
visualizações
Direitos Reservados

Comandante da Capitania Porto de Setúbal afirma que todos os procedimentos necessários foram cumpridos e tripulação não apresenta problemas. Lisnave tem em reparação granadeiro que esteve no porto de Shangai

 

- Pub -

Desde a passada segunda-feira que a Lisnave, em Setúbal, tem no seu estaleiro, para reparação, um navio que fez escala em porto chinês. Trata-se do granadeiro Essayra, com pavilhão da Monróvia, que a 26 de Janeiro passou pela China e chegou ao Sado a 24 de Fevereiro.
A presença do navio é confirmada por fonte da Lisnave, que refere terem sido contactadas as autoridades necessárias, isto tendo em conta as precauções relacionadas com o coronavírus COVID 19, dado a passagem pelo porto de Jiangyin, perto de Shangai. Quanto à estadia do navio em Setúbal, está previsto que seja na ordem das três semanas.
A afastar preocupações sobre a presença deste navio em porto português, pelo seu historial de navegação, o Comandante da Capitania do Porto de Setúbal afirma a O SETUBALENSE que a grande maioria dos 24 elementos da tripulação é russa, e que, depois de terem sido realizados todos os procedimentos sanitários, “nenhum dos ocupantes da embarcação apresentou problemas”, logo nada impedia o navio de estar em Setúbal.
Acrescenta o comandante Paulo Alcobia Portugal que o controlo de saúde feito à tripulação do Essayra quando chegou à Lisnave, foi o segundo filtro de rastreio ao navio, isto porque seguiu a rota pelo Canal do Suez, onde embarcou um dos pilotos. Portanto, na altura, foi feita uma primeira triagem.
Por outro lado, o granadeiro cumpriu uma viagem de um mês de viagem entre a China e Portugal, tempo suficiente para que o comandante do navio se apercebesse de qualquer problema relacionado com o coronavírus, já que este tempo no mar estava dentro do período de incubação do vírus.

Comentários

- Pub -