Universidade Sénior ‘responde’ à pandemia com novas tecnologias

77
visualizações
Fotografia de Alex Gaspar

UNISETI não avança com lay-off e consegue apoio da sua comunidade educativa

 

- Pub -

A UNISETI- Universidade Sénior de Setúbal mantém-se activa mesmo nesta fase de pandemia. Ajustou processos, facultou formação a alunos e professores e assumiu aulas online. Na mira está a continuidade deste novo sistema lectivo à distância, mesmo na Universidade de Verão.

Com cerca de 450 alunos, mais professores, o que envolve uma comunidade na ordem de 600 pessoas, a UNISETI tem ainda de responder pelos funcionários da instituição e encargos funcionais dos seus dois edifícios. Mas, por agora, a situação financeira “está estável”, diz Arlindo Mota, presidente do Conselho de Administração da universidade.
Em Abril, a UNISETI decidiu não cobrar propinas aos alunos e, entretanto, questionou-os sobre a possibilidade de manter o valor habitual, ou baixar o mesmo, ou ainda isentá-los desse pagamento. “Até agora as indicações que temos é que os alunos querem assumir as propinas no valor normal”, afirma Arlindo Mota.

Para o presidente esta leitura é um indicador da “grande relação dos alunos com a UNISETI”. Ou seja, pela parte financeira, e tendo em conta que algumas entidades que ajudavam a universidade com verbas agora não o conseguem fazer, a manutenção das propinas ajudam ao equilíbrio da instituição.

“Não quisemos recorrer à ‘lay-off’ para os nossos funcionários. Temos um fundo de maneio que nos permite sustentar durante uns meses, mas as propinas continuam a ser um grande contributo para continuarmos a funcionar”, diz Arlindo Mota que coloca ainda enfase na missão da UNISETI de “manter a população sénior activa” e, ao mesmo tempo, “não quebrar os laços da comunidade”.

Para o presidente da UNISETI, esta providência sanitária que obriga a aulas virtuais, revela um facto não esperado por muitos: é que nem toda a população com mais idade é info-excluída. “Muitos dos nossos alunos estão a par das novas tecnologias de informação, enquanto outros adquiriram computadores e, com a ajuda de técnicos de informática, passaram a lidar bem com esta nova realidade”.

Arlindo Mota comenta ainda que a UNISETI é das universidades seniores que demonstra “mais pró-actividade” e capacidade organizativa para “fazer frente a esta crise”. E relembra: “entrámos em período de contenção ainda antes de o Governo o anunciar, e estamos prontos para continuar o nosso trabalho”.

Comentários

- Pub -