Covid-19: Director da Secundária de Bocage esperava “comunicação mais próxima” com as autoridades de saúde

140
visualizações

Escola encerrou ano lectivo com dois casos de Covid-19 confirmados e uma professora de quarentena

 

- Pub -

 

Com dois alunos infectados e uma professora de quarentena por recomendação das autoridades de saúde, “uma vez que esteve em contacto com turma à qual os alunos infectados pertencem”, Pedro Gomes, director da Secundária de Bocage, esperava “que as autoridades de saúde tivessem uma comunicação mais próxima com a escola”, no âmbito dos casos identificados”.

Apesar dos alunos terem sido infectados com a Covid-19 fora da escola, na sequência de um acampamento realizado por um grupo de jovens no Parque de Campismo da Galé, em Grândola, de 10 a 14 de Junho, o professor esperava algum contacto mais directo, nomeadamente, sobre a desinfecção que deve ser realizada na escola. “A habitual, para a qual os funcionários tiveram formação, através das acções promovidas pela Marinha Portuguesa ou se outro trabalho mais profundo?”, questiona. Mesmo em relação ao contacto com delegados de saúde regionais “ainda não foi possível”.

Com dúvidas ainda por esclarecer, apesar do ano lectivo estar encerrado, Pedro Ramos decidiu reforçar, precisamente, esta ligação com Marinha Portuguesa, “no sentido de saber o que será necessário fazer, para além do habitual”, de modo a “garanti a segurança de quem ainda fica a trabalhar depois do termino das aulas”.

Em relação ao Plano de Contingência da escola, o professor explica que não foi necessário activar muitas das suas linhas, “porque os casos de contágio não tiveram origem na escola, mas a partir de um evento exterior”. No entanto, quando a direção da escola tomou conhecimento da situação ainda colocou em prática medidas excepcionais “como a medição de temperatura à entrada”, explica Pedro Gomes.

Ano lectivo excepcional encerra com todas as avaliações concluídas

Mesmo com as condicionantes que a Covid-19 veio colocar na assistência presencial das aulas, a Escola Secundária de Bocage encerra o ano lectivo “com todos os actos de avaliação concluídos”. Fica também um elogio ao trabalho do Ministério da Educação, “que esteve sempre muito presente em todos os momentos de combate e prevenção à Covid-19, contribuindo para que nenhum aluno ficasse prejudicado e todos funcionários tivessem os equipamentos de protecção individual necessários, para a realização do seu trabalho em segurança”.

Desde fatos, a máscaras, viseiras, luvas e desinfectantes, “nada faltou”, afirma Pedro Ramos.

ARSLVT garante que escolas estão a ser acompanhadas

Para além do foco na Escola Secundária de Bocage, a Administração Regional de Saúde e Vale do Tejo (ARSLVT) também confirmou a O SETUBALENSE outro foco “limitado” de Covid-19 na Secundária Sebastião da Gama.

Um foco também “acompanhado”, com todos os contactos directos “em isolamento profilático e a aguardar testagem”.

À semelhança da Secundária de Bocage, a escola Sebastião da Gama já “recebeu informação sobre desinfecção e orientações da DGS [Direcção-Geral da Saúde]”, garante a ARSLVT.

Comentários

- Pub -