28 Fevereiro 2021, Domingo
- PUB -
Início Local Setúbal Setúbal investe 404 milhões na construção e reabilitação de oito mil fogos...

Setúbal investe 404 milhões na construção e reabilitação de oito mil fogos habitacionais

O investimento é repartido entre o Estado, entidades, proprietários e o município

- PUB -

A Câmara de Setúbal vai avançar com a construção ou reabilitação de mais de oito mil fogos habitacionais até 2030. Este plano implica um investimento na ordem dos 404 milhões de euros, co-financiado a 91% por programas do Estado e por outras entidades e proprietários. Os restantes 9% ficam a cargo do município.

Trata-se de intervenções programadas na Estratégia Local de Habitação do concelho (ELH) de Setúbal 2020-2030, “recentemente aprovada pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana [IRHU]”, que “define o modelo de intervenção do município em matéria de política de habitação”, explica a autarquia em comunicado.

Este documento “enquadra-se na visão e objectivos gerais definidos na revisão do Plano Director Municipal, nomeadamente a aposta na qualificação do concelho e no reforço da coesão social e da competitividade territorial”, indica a mesma nota de imprensa.

- PUB -

A estratégia foi desenhada por uma equipa composta por consultores e especialistas externos e pelo Grupo de Trabalho do Município, e advém da “necessidade de garantir o acesso aos apoios concedidos pelo IHRU ao abrigo do 1.º Direito – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação”.

Para este trabalho foi “feito um levantamento de todas as carências habitacionais existentes no concelho, devendo o aperfeiçoamento deste planeamento estratégico ficar concretizado, posteriormente, na Carta Municipal de Habitação que a autarquia vai elaborar, em cumprimento da Lei de Bases da Habitação”.

Estão previstas soluções integradas de “forma a dar resposta a uma procura crescente de habitação, a qual necessita de ser acompanhada de um aumento e adequação da oferta, com especial foco na reabilitação”. Nesta base foram definidas “oito medidas que contemplam a reabilitação de 3 560 habitações do parque público municipal, a construção de 4 650 novas habitações para renda apoiada e acessível, e o realojamento prioritário de 338 agregados familiares que vivem em situações de maior precariedade habitacional”.

- PUB -

A reabilitação do património habitacional do município “inclui intervenções nos edifícios ao nível do conforto, eficiência energética, segurança contra incêndios e diminuição da vulnerabilidade ao risco sísmico, bem como a adequação das habitações a moradores com necessidades específicas de mobilidade”.

Melhoria em oito bairros de habitação pública municipal

O programa considera também a “melhoria do habitat em oito bairros de habitação pública municipal onde se situa a maior parte dos casos de precariedade habitacional, ao nível do espaço público, equipamentos, soluções de mobilidade, segurança e desenvolvimento de novas actividades económicas”, avança ainda a autarquia.

Outra medida diz respeito à oferta de habitações de interesse social, sendo que a câmara de Setúbal “vai promover iniciativas de cooperação junto de outras entidades para promover a afectação de habitação com renda apoiada para pessoas em situação de vulnerabilidade”. Serão assim desenvolvidas acções com o Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, a Santa Casa da Misericórdia, a Segurança Social e outras entidades do Estado, cooperativas de habitação e instituições particulares de solidariedade social.
Também está prevista a promoção do acesso à habitação com apoio da iniciativa privada para o arrendamento apoiado, “de forma a possibilitar realojamentos, privilegiando agregados familiares de áreas de risco, de barracas, habitações precárias ou segmentos de procura mais vulneráveis”.

O apoio financeiro temporário para encargos com habitação é outra medida contemplada na EHL Setúbal para facilitar o acesso à primeira habitação pelos jovens, dinamizando candidaturas ao Programa Estado Porta 65, e o alojamento de pessoas em situação de urgência.

Entre as prioridades consta também o alojamento e apoio a pessoas sem-abrigo. Assim, em colaboração com o NPISA – Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem‐Abrigo, “serão monitorizadas as necessidades quer a nível de alojamento, quer em termos sociais e de saúde, de modo a conduzir à integração social e autónoma das cerca de 160 pessoas que vivem nestas condições no concelho, de acordo com dados de 2018”.

Medidas urbanísticas de sustentabilidade no acesso à habitação também estão contempladas na EHL Setúbal, designadamente com a “introdução de uma quota obrigatória de habitação com renda acessível e a criação de incentivos urbanísticos para a promoção de habitação com renda acessível”.

- PUB -

Mais populares

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Dores Meira acusa PS de falsear realidade sobre estacionamento pago na cidade

Dores Meira não poupa criticas às razões que o PS tem alegado. E aponta-lhe os casos de Lisboa e Almada   O estacionamento pago na cidade...

Morto a tiro em festa na encosta da Bela Vista

Um homem com cerca de 30 anos morreu este domingo baleado com dois tiros numa festa ilegal que decorria na encosta da Bela Vista,...
- PUB -