E agora?

15
visualizações
Carlos A. Cupeto -Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Évora

Neste mar de dúvida, medo e incerteza devemos apostar no mesmo caminho que nos trouxe até aqui?

- Pub -

Toda a retórica diz-nos que devemos retomar quanto mais depressa melhor. Retomar, é mais do mesmo: 225 mil voos num só dia. Milhões de pessoas em trânsito numa vida, que está na “nuvem”, sem custos, low cost. Como se a vida fosse digital. Vai-se a um supermercado e compra-se, em qualquer altura do ano, um frasco enorme de pimentos assados (que a nada sabem) por menos de 2€. Este valor não paga o vidro do frasco, o rótulo, a tampa de metal. Vale a pena pensar em todos os outros valores e o que pagamos por eles?

E agora?

Obviamente que as centenas de milhar de camas dos hotéis espalhados pelo país não podem ficar vazias de um dia para ou outro. A transição, quando estivermos dispostos a fazê-la, ou formos obrigados, não será fácil e levará anos. Mais uma razão para começar já. O up global tem que dar lugar ao up local; mesmo que o não queiramos. Portugal tem de ter a sua própria agenda. Temos camas a mais e gente a menos: fácil de resolver, quando o problema da Terra é gente a mais. Uma equação muito fácil. Estamos na hora de uma grande reflexão pessoal e colectiva. Desde logo temos de voltar a um tempo que tenha “tempo” para as estações do ano, tempo para viver.

É tempo dos valores e da ética, de aprender com os erros e ter a coragem de mudar, mesmo que seja ao revés de muitos dos outros. A aposta nos nossos próprios recursos. Devemos apostar num turismo de alto valor, porque temos um capital natural único e muito geobiodiverso, um caminho de longo curso. Quase o oposto das “carradas de turistas depredadores” que nos invadiram. O nosso sonho tem que contar, essencialmente, com o que temos à porta de casa, o up local. Temos de vencer a ignorância e a falta de cultura e empreender uma revolução. Enquanto tratamos das emergências do momento, este tempo tem de servir para desenhar o futuro que queremos.

Ou queremos que fique tudo na mesma?

Comentários

- Pub -