A polémica sobre as comemorações

17
visualizações
Francisco Ramalho - Ex-bancário, Corroios

Como a nossa participação neste democrático, pluralista e útil jornal, é semanal, há assuntos que poderão perder alguma atualidade. Não é de todo o presente, sobre o qual, nos propomos hoje opinar: as recentes comemorações do 25 de Abril e do 1º de Maio.
Trata-se de efemérides intemporais. Por isso, desta vez, devido à pandemia que nos assola, envoltas em polémica.

- Pub -

As reações dividem-se em três grupos. Um deles, constituído por pessoas que estão e sempre estiveram contra elas, haja pandemia ou não. Sobre estas, não perdemos um minuto. Trata-se de gente para quem os direitos dos trabalhadores e a democracia, nada lhes diz. Melhor, não as aceitam.

Em relação aos outros dois grupos,são constituídos por democratas, divididos sobre o modo e a oportunidade de tais comemorações este ano, devido ao perigo de contágio viral.

Dos dois lados, infelizmente, houve quem demonstrasse intolerância e proferisse acusações injustas. Uns, acusando os outros de reacionários e até de fascistas. Do outro lado, houve quem falasse em falta de respeito pela saúde pública e até pelas leis a propósito, em vigor. Nem uns, nem outros, têm razão.

Importante mesmo, é que ambas as efemérides se comemoraram com toda a dignidade e respeitando escrupulosamente as leis excecionais. Até as acusações em relação à deslocação de pessoas de um concelho para outro, não têm fundamento. Os autocarros que transportaram parte dos manifestantes foram com lotação reduzida e ninguém se deslocava para a praia ou para qualquer ajuntamento. Aliás, como se verificou. Além disso, havia cobertura legal, por se tratar de dirigentes e representantes sindicais. Isto, em relação às comemorações do 1º de Maio promovidas pela CGTP-IN, na Alameda D Afonso Henriques em Lisboa, Setúbal e em mais 22 localidades do Continente e Região Autónoma da Madeira (Funchal).

Em relação à Sessão Solene do 25 de Abril na Assembleia da Republica, idem idem aspas aspas. Tudo decorreu com a dignidade inerente ao ato, e conforme as medidas relativas ao período excecional que estamos a viver. Além disso, como se sabe, os trabalhos da AR , com os cuidados que a situação exige, nunca foram interrompidos.
Ainda em relação ao 25 de Abril, para além da Sessão Solene na AR, houve festejos, condicionados, claro, um pouco por todo o país. Por exemplo, na nossa região, e no caso que conhecemos melhor, o Seixal, de 24 de Abril a 3 de Maio, por iniciativa da respetiva Câmara Municipal, mais de uma dezena de artistas, diversos da região, percorreram todo o concelho animando com musica e canções de Abril, os cidadãos retidos em casa “À Janela com Abril”. Em Corroios, no dia 25 de Abril, por iniciativa da Junta de Freguesia local, idêntica iniciativa percorreu toda a freguesia com evidente agrado dos moradores confinados em casa.

Portanto, Abril sempre novo com o povo, e uma justa contribuição com e para os artistas participantes. Também eles, a braços com a paralisação forçada da sua atividade devido à pandemia.

Comentários

- Pub -