Carl Zeiss Vision despede 60 trabalhadores da fábrica de Setúbal

351
visualizações

Dispensa de funcionários em regime temporário criticada pelo sindicalista Luís Leitão, que vê outras soluções mais fiáveis e responsáveis

 

- Pub -

A empresa fabricante de lentes e material óptico oftálmico Carl Zeiss Vision procedeu ao despedimento de 60 trabalhadores, em regime temporário, na sua fábrica em Setúbal, situada na antiga fábrica da IOLA. A empresa, a laborar no concelho há mais de 70 anos, tem actualmente cerca de 250 trabalhadores.

Os funcionários, “a trabalhar na sua grande maioria em regime temporário”, foram dispensados em plena “crise epidemiológico, altura de medo e de dúvida”, afirma Luís Leitão, coordenador da União dos Sindicatos de Setúbal da CGTP-IN.

Para o sindicalista, “esta decisão é condenável”. Ao invés de dispensar os trabalhadores, “a empresa deveria de adoptar os respectivos planos de contingência de forma a que se possa laborar com segurança e saúde do trabalho”. Na sua opinião, o que devia de ter sido aplicado era o “fomento de um afastamento social para reduzir o contacto entre trabalhadores” e, em simultâneo, “o fornecimento dos necessários equipamentos de protecção individual exigidos nesta altura de pandemia”.

“Se as pessoas perdem os seus rendimentos em virtude de perderem o seu trabalho o que será delas?”, questiona Luís Leitão. Com esta decisão “só se está a acrescentar mais crise à crise já existente. Não é despedindo os trabalhadores temporários que já por si só têm um regime precário que é a solução. A empresa deveria de ter aqui mais responsabilidade”, acrescenta.

No que diz respeito a atribuir responsabilidades, “a empresa vai poder recorrer aos apoios disponibilizados pelo Estado porque vai sempre alegar que não foi ela que procedeu aos despedimentos, mas sim a empresa de trabalho temporário. Não existem penalizações para este estilo de decisões, mas deveriam de existir”, conclui o coordenador da União dos Sindicatos de Setúbal da CGTP-IN.

O SETUBALENSE tentou, também, obter mais informações junto da empresa Carl Zeiss Vision, mas não obteve quaisquer respostas até ao fecho da edição.

PCP de Setúbal condena despedimentos

O Secretariado da Comissão Concelhia de Setúbal do Partido Comunista Português transmitiu, através de comunicado, que “repudia o anunciado despedimento de 60 trabalhadores que ocupam postos de trabalho permanentes e que têm sido ilegalmente mantidos na precariedade”.

“Num momento em que os trabalhadores e as suas famílias enfrentam grandes dificuldades, este despedimento revela, mais uma vez, o carácter do capital que vê na situação da pandemia Covid-19 uma oportunidade para despedir trabalhadores”, lê-se, também, em comunicado.

Comentários

- Pub -