Barreiro apoia criação de conteúdos online na área da cultura

17
visualizações

Autarquia está a reagendar espectáculos cancelados devido à pandemia Covid-19

 

- Pub -

A vereadora da Cultura da Câmara Municipal do Barreiro, Sara Ferreira, subscreve a posição do presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado, que defendeu no passado dia 5 o reagendamento de espectáculos que foram cancelados em virtude da pandemia Covid-19, para que as autarquias possam adiantar parte dos pagamentos inicialmente acordados a titulo de sinal com os artistas, ajudando-os desta forma a “atravessar um conjunto de vários meses sem rendimentos” e que tinham programados receber por esta altura.

Sara Ferreira adianta que “foi este o modelo adoptado desde o início desta crise pelo município”, estando a autarquia barreirense a “reagendar e não a cancelar iniciativas”, revelou ao jornal O SETUBALENSE. Relativamente a eventos em concreto, a responsável adianta que “estamos a avaliar caso a caso sendo que os eventos mais próximos”, como o concerto inicialmente previsto para o 25 de Abril com a actuação da banda The Gift, no Parque da Cidade, a terem de ser “reagendados”.

Sara Ferreira realça ainda que “a cultura no Barreiro não pára e que acabo de apresentar um pacote de medidas que visa, entre outros, o apoio à criação de conteúdos online por parte de artistas barreirenses”, revelou.

Recorde-se que em declarações à agência Lusa, o presidente da ANMP afirmou que “é muito importante que a sociedade, no seu conjunto, comece já a preparar a vida colectiva que se seguirá ao declínio da pandemia”. O responsável adiantou ainda que “o apoio aos artistas e às actividades culturais para que possam atravessar esta fase sem rendimentos dever ser, nos diversos níveis do Estado, uma prioridade política”. Também Pedro Wallenstein, presidente da Gestão dos Direitos dos Artistas (GDA) – entidade que em Portugal faz a gestão dos direitos de propriedade intelectual de músicos, actores e bailarinos –, apelou na mesma altura aos municípios que cumpram parte dos compromissos anteriormente assumidos com artistas e que, entretanto, tenham sido cancelados devido à doença Covid-19.

Entre as medidas defendidas pela GDA, está a necessidade das autarquias recalendarizarem “o máximo possível de espectáculos, pagando desde já uma percentagem aos artistas e a outras profissões” ligadas à área cultural como “adiantamento”. De acordo com um inquérito realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (a Cena-STE), 98 por cento dos profissionais da cultura questionados viram os seus trabalhos cancelados.

Comentários

- Pub -