Setúbal. Voluntários levam bens de primeira necessidade a casa de pessoas em situação de risco

59
visualizações

Iniciativa da Comissão Municipal de Protecção Civil de Setúbal garante alimentação e medicamentos diariamente

 

- Pub -

Como forma de resguardar os setubalenses que pertencem a grupos de risco devido à nova pandemia, a Comissão Municipal de Protecção Civil (CMPC) de Setúbal organizou dezenas de voluntários para a distribuição de bens essenciais e medicação, entregues diariamente em casa da população. “À janela ou à porta de casa. É assim que muitos setubalenses têm recebido os bens de que mais necessitam para evitar saídas à rua que podem colocar em risco a sua saúde”, revela a autarquia em comunicado.

Os pedidos, efectuados através de uma linha de emergência criada pela CMPC de Setúbal contam com o contributo de voluntários ligados ao município do concelho, às juntas de freguesia da cidade e a várias entidades que possuem responsabilidades na área da intervenção social. Durante o período de isolamento contactaram a linha 800 212 216, número disponibilizado para o efeito, “perto de três centenas de pessoas, entre idosos com mais de 70 anos, doentes oncológicos e portadores de deficiência”, lê-se em nota de imprensa.

Para além destes, foram, também “integradas na rede situações de fragilidade económica, decorrente dos problemas gerados pelas situações de perda de emprego ou da capacidade de autofinanciamento”. Aos voluntários cabe a responsabilidade de anotar a lista de compras solicitada pela pessoa que ligue para o contacto telefónico, começando, assim, “uma rede de apoio que passa pela aquisição de produtos alimentares ou de higiene nos supermercados e de medicamentos nas farmácias”, estando concluída junta da porta, ou até mesmo à janela, do setubalense que solicitou o apoio.

Para além da entrega de produtos, os voluntários fazem questão de avisar a população. “Uma voluntária que entrega as compras diz “protejam-se e avisem se precisarem de alguma coisa” a uma idosa acompanhada pelo filho. A mulher sorri e o homem responde “Obrigado. É que não podemos sair de casa, sobretudo por ela, e isto é uma grande ajuda”, descreve o município na mesma nota.

De forma a integrar todos os que necessitem, a Câmara Municipal de Setúbal garante que “é possível que pessoas que não se enquadrem nos grupos de risco solicitem apoio”. Quando solicitado, “o pedido é analisado pela DISOC, Rede de Apoio Social, e pela junta de freguesia do requerente para eventual integração em redes de apoio de distribuição de alimentos e medicamentos”.

A Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal foi o local escolhido para o depósito de alimentos para distribuição.

Comentários

- Pub -