“Há muita gente a passar privação em Setúbal”

54
visualizações
Bispo de Setúbal, D. José Ornelas Carvalho

D. José Ornelas diz que em alguns lugares “a busca por alimentos aumentou 50%”. E teme pelo futuro de muitas das instituições de solidariedade

 

- Pub -

“Há muita gente a passar privação, em Setúbal e não só”. A constatação é feita por D. José Ornelas, Bispo de Setúbal, que, em entrevista à Rádio Renascença, sublinhou um cenário crescente de necessidades na região, consequência da actual conjuntura pandémica.

“Em alguns lugares, em algumas paróquias, a busca de alimentos subiu mais de 50%”, revelou D. José Ornelas, ao mesmo tempo que alertou para uma outra realidade que considera preocupante.

“Nas instituições de solidariedade social temos outro problema que é a própria subsistência destas instituições”, disse à Renascença, lembrando que os efeitos da crise provocada pela pandemia apenas vieram acentuar aquilo que já era uma situação de dificuldade dessas instituições. “Elas já viviam com ‘a corda no pescoço’ do ponto de vista financeiro”, frisou o bispo, confessando que é imprevisível saber “quantas vão subsistir” quer na diocese de Setúbal quer no País.


D. José Ornelas lembrou que a diocese de Setúbal “já experimentou sucessivas crises nos últimos anos”, sendo que agora “já começa a sentir com alguma dimensão” aqueles que são os reflexos da pandemia.

O trabalho precário, o turismo e a restauração mereceram um olhar atento do bispo. “O trabalho sazonal falhou de repente”, apontou, estabelecendo a ponte com os sectores da restauração e do turismo “que habitualmente contam muito” no quadro económico da “Península de Setúbal”.

Quanto ao futuro próximo, o Bispo de Setúbal deixou um conselho: “Mesmo que a vida social vá sendo retomada e possamos começar a vencer esta crise, temos de vencê-la com senso, com responsabilidade para permitir que os lugares onde a gente se encontra sejam lugares verdadeiramente de fraternidade.”

“Vamos tomar as medidas necessárias para que isso seja possível”, apelou a concluir.

Comentários

- Pub -