Banco Alimentar recorre a vales e online [com vídeo]

32
visualizações
Pedro Cunha

O Banco Alimentar Contra a Fome não pode realizar este ano a habitual campanha de recolha de bens alimentares presencialmente de Maio, devido à actual situação de pandemia.

- Pub -

Contudo, o contributo da população para quem mais precisa pode ser feito através da “Ajuda Vale” nas caixas dos supermercados, ou do portal de doação online (alimentestaideia.pt), até 31 de Maio. Este meio, já utilizado em campanhas anteriores, propõe a contribuição através de vales de produtos, que estarão disponíveis até ao último dia deste mês. Cada vale tem um código de barras específico associado aos produtos que cada pessoa queira doar ao Banco Alimentar.

Com o mote “Ajude a preencher este vazio”, a campanha do Banco Alimentar quer sensibilizar os portugueses para que “preencham o vazio das muitas famílias que são afectadas por um cenário de carência alimentar todos os dias, uma situação agora agravada, reforçando a importância do contributo e envolvimento de cada um”, refere Pedro Cunha, presidente da direcção do Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal.
Segundo o mesmo responsável, às pessoas em situação financeira mais vulnerável que, normalmente, beneficiam da assistência alimentar, “juntaram-se mais cerca de 60 mil pessoas”, vítimas da suspensão de empresas ou de negócios próprios, por força da contenção da pandemia. Por isso, reafirma Pedro Cunha que a “ajuda não pode parar, muito menos agora quando é ainda mais preciso”.

Quem não tiver possibilidade de se deslocar a um supermercado, ou resida no estrangeiro, pode utilizar o recurso online disponibilizado pelo Banco alimentar, e fazer a sua doação.

No ano passado, os 21 Bancos Alimentares em actividade em Portugal distribuíram 23 382 toneladas de alimentos, com o valor estimado de 31,7 milhões de euros, num movimento médio de 93,5 toneladas por dia útil.

Foi prestada assistência a 2 400 instituições, os alimentos foram entregues a cerca de 380 mil pessoas com carências alimentares comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confeccionadas, de acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome.

Comentários

- Pub -