Câmara de Setúbal está a preparar regresso à vida normal e reavivar economia

111
visualizações

Autarquia prepara estratégia para o fim do estado de emergência e injectar dinheiro na economia local

 

- Pub -

Diversos serviços da Câmara de Setúbal, assim como concursos públicos de várias obras vão ser reactivados pela autarquia para “injectar dinheiro na economia local”, avançou o coordenador municipal da Protecção Civil.

“Estamos a trabalhar na recuperação do funcionamento dos serviços municipais – a definir a forma como se vai fazer e com que meios – e também na recuperação económica do concelho”, disse à agência Lusa José Luís Bucho.

“O município também pretende lançar os concursos públicos para diversas obras que tem em carteira, no valor de alguns milhões de euros, logo que seja levantado o estado de emergência, para que as empresas comecem a concorrer e assim injectarmos dinheiro na economia local”, acrescentou.

Segundo o coordenador da Protecção Civil Municipal, “há serviços camarários que vão reiniciar a actividade, mas há outros que nunca estiveram parados, como os serviços de Protecção Civil, a recolha de lixo, limpeza de ruas e obras municipais, que, em termos globais, envolvem mais de 500 trabalhadores”.

Com o objectivo de envolver os quadros do município na estratégia de retoma da actividade dos serviços camarários, a Câmara de Setúbal pretende também organizar, muito em breve, uma reunião com os directores de departamento e chefes de divisão do município para ouvir a opinião dos técnicos e envolvê-los na estratégia de reinício da actividade municipal.

“Vamos fazer uma reunião com os directores de Departamento e chefes de Divisão, para lhes dar a conhecer a estratégia do município para a recuperação dos serviços e também para ouvir a opinião destes técnicos sobre diversas matérias”, disse José Luís Bucho, adiantando que o encontro deverá ter lugar no Fórum Municipal Luísa Todi, em data a anunciar.

“O Fórum Luísa Todi tem mais de 300 lugares e permite um espaçamento de cerca de cinco metros entre os participantes”, justificou.

 Lusa

Comentários

- Pub -