Covid-19 atinge as três fábricas de carne no Montijo

409
visualizações

Raporal, com 10 casos confirmados, é a situação mais preocupante. Carmonti e Montalva registaram um infectado cada

 

- Pub -

Doze casos positivos confirmados e largas dezenas de trabalhadores de quarentena profiláctica em casa. As três unidades industriais de transformação de carne existentes no Montijo foram atingidas pela Covid-19.

Um foco activo da doença foi detectado na Raporal e constitui a situação que inspira maior preocupação. As outras duas empresas, Izidoro Montalva e Carmonti, confirmam apenas a existência de um colaborador infectado.

Até quarta-feira passada, estavam confirmados 10 casos de Covid-19 entre trabalhadores de “duas áreas do sector de transformação de carne” na Raporal, revelou António Almeida, porta-voz daquela unidade industrial. O foco activo de contágio levou a que a empresa “tomasse a iniciativa de testar à volta de uma centena de trabalhadores”, pelo que o número de casos “pode alterar-se”, admitiu o responsável a O SETUBALENSE.

Segundo a mesma fonte, os 10 colaboradores estão “a recuperar em casa” e foram “sinalizados todos os seus contactos com outros colaboradores da empresa”. São “mais de 20” os trabalhadores que, por prevenção, encontram-se a cumprir isolamento em casa, por terem mantido contacto com um ou mais colegas que testaram positivo.

O primeiro caso, adiantou António Almeida, foi detectado na segunda-feira passada.
“Foi um trabalhador, após o fim-de-semana, que vinha para a empresa, quando se sentiu mal e já não conseguiu. Foi ao hospital e viria a ser identificado como caso positivo”, conta.

A situação tem estado a ser acompanhada de perto pelas autoridades de saúde. A delegada de saúde esteve no local, garantiu António Almeida, acrescentando que todas as medidas adicionais ao plano de contingência da Raporal que foram indicadas pelas autoridades de saúde “estão a ser rigorosamente aplicadas para evitar o contágio entre os colaboradores em ambiente laboral”.

O responsável sublinha ainda que a empresa acredita ter a situação “controlada” e que “os riscos de propagação entre colaboradores sejam reduzidos”. Ao mesmo tempo, afasta um eventual cenário de a empresa vir a ser obrigada a suspender a laboração. “Acreditamos que isso não irá acontecer”, atira.

Carmonti e Montalva
Já a Carmonti confirma o registo de um caso positivo nas suas fileiras, também detectado “na segunda-feira”, disse fonte da empresa a O SETUBALENSE.
A pessoa infectada apresenta “sintomas ligeiros” e está a recuperar em casa. A mesma fonte revela que na sequência do caso identificado ficaram em confinamento profiláctico, em casa, outros “nove” trabalhadores.

A delegada de saúde “não recomendou a realização de testes” na empresa, apenas a “vigilância e controlo de sintomas associados à doença aos restantes colaboradores”.

Na Montalva foi igualmente detectado um caso de infecção entre os trabalhadores, confirmou fonte desta unidade a O SETUBALENSE.

A empresa activou de imediato o plano de contingência, tendo sido “colocados em quarentena todos os colaboradores” que potencialmente tiveram contacto com o colega.

A área onde a pessoa infectada desempenhava funções, adianta a mesma fonte, “foi também alvo de uma esterilização exaustiva que, sendo a higienização uma prática diária, foi reforçada nos últimos tempos, elevando a segurança já de si exigente” nas instalações da Montalva.

Comentários

- Pub -