Segunda Santa Casa fundada em Portugal aumenta serviços de saúde sem abrandar cuidado aos mais velhos

13
visualizações
Fernando Cardoso Ferreira, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal

25 mil consultas por ano são marca da vitalidade actual da instituição com 520 anos

 

- Pub -

A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal (SCMS) atende cerca de 450 utilizadores e dispõe de um quadro de 240 pessoas colaboradores, além de servir diariamente cerca de 800 refeições. Um presente em que a assistência de saúde é uma das principais apostas da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, tendo sido implementado em 2018 um sistema para prestar cuidados de saúde a utentes que não tinham médico de família, na clínica localizada no Passeio da Misericórdia

Este sistema protocolado entre o ministério da Saúde, a União das Misericórdias e a Misericórdia de Setúbal, permitiu aliviar a pressão sobre os centros de saúde de Vale do Cobro e da Praça da República através de mais de 25 mil consultas por ano, disponibilizadas a adultos sem médico de família. Uma média de 100 consultas por dia.
Para além dos cuidados de saúde primários, a Misericórdia de Setúbal é reconhecida pelo apoio à população sénior, através do Lar Acácio Barradas.

Esta valência chegou à posse da Santa Casa a 8 de Outubro de 1889, com o nome Asilo Acácio Barradas. Um lar de acolhimento “destinado a velhas inválidas” que, em 1985 perante uma grande deterioração foi objecto de obras de remodelação interna, que possibilitaram mais conforto e dignidade ao dia-a-dia dos idosos internados e bem assim ao pessoal que lhes assiste.

A par do Lar Acácio Barradas, a SCMS detém ainda o Lar Dr. Paula Borba, que ficou na sua posse por legado deixado no início do século XX e com o nome Asilo Bocage, dedicado à assistência “para velhos”.

Posteriormente, o Dr. Paula Borba viu aprovados os seus estatutos a 24 de Abril de 1912, tendo a sua designação mudado para Asilo Dr. Paula Borba, em 1945, e para a actual denominação em 1973.

Centro de Apoio a Idosos Dependentes

Depois, o apoio domiciliário destaca-se através do Centro de Apoio a Idosos Dependentes (CAID), inaugurado a 25 de Julho de 1995.

Acolhe idosos total ou parcialmente dependentes, a quem são prestados cuidados gerais de vida, de higiene e de saúde, quando os utentes já não têm capacidade para cuidar de si próprios. O CAID funciona ainda como hospital de rectaguarda, acolhendo pessoas que, após alta hospitalar, não dispõem de condições para regressem as suas casas.
Importa ainda referir o Centro de Apoio à Terceira Idade e a Clínica de Medicina Física e Reabilitação, que presta serviços desde a reabilitação física à população setubalense.

 

A segunda Misericórdia fundada em Portugal

 

A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal foi fundada em 1499, logo após a criação da primeira Santa Casa, em Lisboa, a 15 de Agosto de 1498, por Frei Miguel Contreiras, sob os auspícios da rainha D. Leonor.

Em 1500, a Confraria da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal recebeu de Rodrigo Afonso, conselheiro do rei “e vedor da fazenda da Senhora Infanta, hüa caza de egreja (…) que está jumto com o Mosteiro de Jesus”, refere a SCMS de acordo com documentos históricos da fazenda do reino.

Hoje, com parte das suas valências ainda a funcionarem num edifício contíguo à Igreja do antigo Convento de Jesus, na Rua Acácio Barradas, a Misericórdia de Setúbal continua a praticar as suas duas principais obras: as corporais e as espirituais.

Na primeira obra social é garantida a assistência alimentar, abrigo a peregrinos, assistência a doentes, visitas a presos e cerimónias fúnebres. Na segunda inclui-se a missão de passar o bom conselho ao próximo, levar conhecimento a todos, ajudar os que erram, consolar os aflitos, perdoar as injúrias e a oração.

 

A Misericórdia em Setúbal da Sé, ao Quebedo e Convento de Jesus

 

Por Carta Régia de D. Manuel I, datada de 1499, foi mandado erigir o primeiro hospital da Misericórdia de Setúbal. Fundado em 1501 com a designação de Hospital João Palmeiro, as ruínas foram recentemente recuperadas pela Câmara de Setúbal e podem ser visitadas junto à Sé.

Hospital João Palmeiro, após recuperação da fachada pela Câmara Municipal de Setúbal, em 2020

Mais tarde, este hospital foi substituído pelo Hospital do Corpo Santo, no Largo de Quebedo. E, depois, pelo do Hospital do Espírito Santo, no Largo da Misericórdia, no edifício onde hoje estão sediadas a Delegação de Setúbal da Cruz Vermelha e a Sociedade Musical Capricho Setubalense.

Em 1861, o Hospital da Anunciada, destinado a mulheres e situado no largo com o mesmo nome foi integrado na Misericórdia de Setúbal, por virtude de ter sido extinta a sua fundadora e até então detentora: a Confraria dos Hospitais de Nossa Senhora da Anunciada. Desta união resultou a necessidade de centralizar os serviços de ambos os hospitais num único edifício.

Deste modo, por Carta Régia de D. Carlos I, datada de 1888 e complementada por outra datada de 28 de Janeiro de 1892, o Convento de Jesus foi cedido à Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, para manter o seu hospital.

Assim nasceu o Hospital do Espírito Santo inaugurado em 1893, que recebeu os serviços assistenciais da SCMS até 9 de Maio de 1959. Data a partir da qual todos os serviços foram transferidos para o Hospital São Bernardo.

 

B.I.
Nome: Santa Casa da Misericórdia de Setúbal
Data da fundação: 1499, 520 anos
Localidade: Setúbal
Principais actividades: Apoio à terceira idade e assistência na saúde
Actual provedor: Fernando Cardoso Ferreira

Comentários

- Pub -