Montijo: Concurso para projecto de arquitectura da Loja do Cidadão já foi lançado

47
visualizações

O presidente da Câmara aponta a um milhão de euros de investimento e adianta que o edifício a construir terá mil metros quadrados

 

- Pub -

O concurso público para contratação de uma equipa que irá elaborar o projecto de arquitectura da Loja do Cidadão no Montijo foi lançado na passada quarta-feira e a expectativa de Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal, é que a obra venha a ser lançada “em Setembro ou Outubro”.

“Contamos começar a montar o estaleiro e a construir a loja durante o próximo ano, sendo que estimamos investir cerca de um milhão de euros na sua concretização”, disse o autarca socialista.

O equipamento será construído no edifício onde funcionava a Divisão da Educação da Câmara Municipal, abrangendo ainda um imóvel contíguo que foi adquirido pela autarquia. Segundo o presidente da Câmara, a loja terá “cerca de mil metros quadrados” e o novo edifício a erigir “terá três pisos, uma entrada pelo lado que fica de frente para os Paços do Concelho e uma outra virada para a Rui Miguel Pais”, frente à Estrada Nova. “O 1.º piso será para a função de loja do cidadão e englobará também o Balcão Único. A parte do 3.º piso será um espaço para outros fins, contemplando uma pequena sala para questões culturais”, explicou.

O equipamento “vem responder ao problema dos serviços do Estado ao nível local”, considera Nuno Canta, destacando que “o principal é o do registo e notariado, que é complicado continuar a funcionar no tribunal”.

Paralelamente, o edil realça a importância de “centralizar serviços, nomeadamente da Segurança Social e das Finanças”, no equipamento, lembrando que a localização [do futuro espaço] tem a “enorme vantagem de juntar serviços na zona central do Montijo e próximos da Câmara Municipal, reforçando a função de centro da cidade e, com isso, também o comércio envolvente”.

Negociações por serviços

Para já, Nuno Canta diz estar a trabalhar na captação de serviços para o novo equipamento. “Temos feito reuniões. Há interesse dos serviços de notariado do tribunal passarem para cá e o cartão de cidadão também irá passar. Estamos agora a contactar a Segurança Social para saber do seu interesse em estar na loja”, revelou, acrescentando: “Iremos também contactar com as entidades mais privadas, mas também de serviços gerais, como a EDP e outras empresas de electricidade e também de telecomunicações, como a PT, que pretendemos que aqui se instalem”.

Porém, tudo dependerá “de como decorrerem as negociações agora e nos próximos meses”.

O Balcão Único, salientou ainda o presidente da Câmara, “também estará instalado na loja”, juntando: “E ainda estamos a tratar com a Agência de Modernização Administrativa (AMA) a possibilidade de esta loja, tal como a de Almada, vir a ter mais serviços, respondendo a algumas urgências que por vezes acontecem nas lojas de Lisboa. Ou seja, estas duas lojas devem ser também uma espécie de alternativa a algumas que existem na cidade de Lisboa. Isso está a ser estudado com a AMA e com a Secretaria de Estado de Modernização Administrativa”. “Estamos a pedir à AMA e ao Estado que tenham em atenção alguns aspectos, até porque estas lojas podem fazer parte de uma resposta acrescida para toda a região de Lisboa”, reforçou, apontando um exemplo concreto: “Na Expo existe uma loja. De repente nessa loja existe alguma dificuldade. Ora, as pessoas poderiam vir ao Montijo tratar do seu caso e regressarem a Lisboa.”

A Loja do Cidadão no Montijo vai concentrar também “vários serviços municipais, designadamente da água e do pagamento de taxas”, bem como “outro tipo de situações”, concluiu Nuno Canta.

Comentários

- Pub -