Setubalenses querem encher Praça do Bocage para mostrar à Liga a força do Vitória

110
visualizações

A alma vitoriana prepara-se para voltar a sair à rua em mais uma onda de apoio ao clube da terra. Amanhã, às 19h00, os adeptos do Vitória e os setubalenses vão concentrar-se na Praça do Bocage para vincar a força do clube e mostrar, quer à Liga quer ao resto do País, a grandeza do Enorme e a fibra da cidade, capital de distrito.

- Pub -

O apelo para a concentração foi lançado através da rede social Facebook e já ontem alguns adeptos levaram a efeito manifestações de apoio ao clube naquela mesma praça.

Recorde-se que o Vitória, tal como o Aves, foi impedido de se inscrever nas competições profissionais, depois de a Comissão de Auditoria da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) ter reprovado os processos de licenciamento.

A LPFP anunciou que o clube não cumpriu os requisitos para se inscrever nas provas profissionais.

De acordo com a decisão, o clube sadino não conseguiu apresentar prova de “inexistência de dívidas a sociedades desportivas”, a “inexistência de dívidas a jogadores, treinadores e funcionários”, assim como “a regularidade da situação contributiva perante a Autoridade Tributária”.

O clube recusa-se a aceitar a decisão e anunciou desde logo que ia recorrer da decisão para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol.  Paulo Gomes, presidente do Vitória, revelou que o clube tem fundamento para a insuficiência nos três critérios apontados.

“O Vitória FC tem fundamento para os três critérios apresentados como insuficientes. O Vitória FC sempre cumpriu e liquidará todas as dívidas que sejam certas, líquidas e exequíveis, não deixando de refutar e contestar aquelas que carecem de sustentação legal ou contratual ou se revelem abusivas numa tentativa de enriquecimento sem causa, sustentada na ‘pressão’ de um processo de licenciamento”, considerou o líder dos vitorianos.

No apelo para a concentração de amanhã estão a ser destacadas as regras recomendadas pelas autoridades de saúde par o actual momento, face à conjunura pandémica.

Com Lusa

Comentários

- Pub -