1 Março 2021, Segunda-feira
- PUB -
Início Local Barreiro Imóveis da CUF foram classificados como Conjunto de Interesse Público

Imóveis da CUF foram classificados como Conjunto de Interesse Público

Direcção-Geral elegeu espaços localizados no Parque Empresarial Baía do Tejo, em articulação com a Câmara do Barreiro

 

- PUB -

Um conjunto de imóveis ligados à actividade industrial e à obra social da Companhia União Fabril (CUF), no concelho do Barreiro, foram classificados esta segunda-feira como Conjunto de Interesse Público, por despacho da Secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Carvalho Ferreira, na mesma data em que o respectivo diploma foi publicado em Diário da República.

De acordo com o documento, foram classificados espaços como a Casa-Museu Alfredo da Silva, o antigo Posto da GNR, os edifícios da Primeira Geração Stinville (1907-1917), para além da antiga Central a Vapor e do Armazém de Descarga e Moagem de Pirites. Ao leque de sítios enumerados pelo decreto, junta-se ainda o Bairro Operário de Santa Bárbara, a antiga sede do Grupo Desportivo da CUF e o Mausoléu de Alfredo da Silva, na mesma altura em que estão a ser assinalados os 150 anos do seu nascimento.

O Silo de Sulfato de Amónio, datado de 1952, e o Silo de Enxofre, dos inícios da década de 60, para além do Museu Industrial e Centro de Documentação (antiga Central Diesel – 1928/37), que desde 2010 recebeu mais de 17 mil visitantes, são outros dos imóveis que obtiveram classificação por parte da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

- PUB -

Edifício Museu Industrial Baía do Tejo – Antiga Central Diesel

Neste âmbito, foram fixados um conjunto de restrições relativas à volumetria, morfologia, alinhamentos e cérceas, cromatismo e revestimento exterior destes edifícios, tendo sido criados seis zonamentos naquela área. No contexto da instrução do procedimento de classificação, a DGPC, em articulação com a Câmara do Barreiro, procedeu ainda ao estudo das “restrições consideradas adequadas, que obtiveram parecer favorável do Conselho Nacional de Cultura e foram sujeitas a audiência dos interessados em termos do Código do Procedimento Administrativo”.

Contactado por O SETUBALENSE, Sérgio Saraiva, membro do Conselho de Administração do Parque Empresarial Baía do Tejo, considera que esta classificação “é o reconhecimento da identidade e da qualidade arquitectónica dos edifícios que fazem parte deste legado do antigo complexo fabril, que é hoje gerido pela empresa, para garantir a salvaguarda de alguns espaços que DGPC e o nosso parque considerou relevante proteger”, dado que traz “mais notoriedade ao território, mas também mais responsabilidade”.

- PUB -

A classificação, acrescentou, está “alinhada com o que tem sido a estratégia da empresa em relação aos vários edifícios, alguns deles a serem utilizados actualmente por clientes, pelo que tem havido um investimento por parte da Baía do Tejo na reabilitação dos imóveis, numa perspectiva de garantir a sua integridade, mas também de valorizá-los para a actividade económica e outras funções”, frisou.

Bairro Operário de Sta Bárbara

O parque, adiantou, tem “investido bastante na requalificação destes espaços e na sua promoção, para que a população em geral possa usufruir dos mesmos e lhes seja dada vida, porque importa que estes tenham actividade, passando sobretudo pela diversificação da actividade económica e pelo ‘cluster criativo’, que a 26 de Setembro acolheu um grande evento com sete acontecimentos em simultâneo”, recordou.

“É importante a continuada atracção da actividade económica, pois permite a reabilitação dos edifícios e manter o pulsar económico neste território onde estão instaladas 240 empresas, que mantém a sua identidade com acções muito variadas, o que é essencial para trazer vida a esta zona, numa perspectiva de abertura à cidade”, salientou, tendo dado como exemplo o mural da autoria do artista Vhils que é neste momento “um pólo de atracção a esta área”.

Casa Museu Alfredo da Silva

Actual herdeira de um património singular em Portugal, a Baía do Tejo tem apostado na atracção de investimento para as indústrias criativas e do conhecimento. É nesta zona do Barreiro que se encontram diversos Arquivos, a própria Fundação Amélia de Mello, a Ephemera, o Espaço Memória da Câmara Municipal, bem como uma dezena de empresas das áreas criativas e artísticas, tais como o Colectivo SPA, o PADA Studios, a Hey Pachuco e o VHILS Estúdio, para além da presença do estúdio de Guta de Carvalho, entre muitos outros.

“Pioneirismo e gigantismo no seio das indústrias químicas nacionais”

Instalada no Barreiro desde 1907, a CUF representa para Portugal “pioneirismo e gigantismo no seio das indústrias químicas nacionais, tendo criado sinergias para o desenvolvimento de fábricas congéneres”. A proximidade das vias de circulação, entre o rio Tejo e a estação de caminho-de-ferro do Sul, terá sido preponderante para a instalação do complexo naquela área, tendo em conta que as ligações ferroviárias eram fundamentais para “receber a maioria das matérias-primas provenientes das minas de pirite do Alentejo”.

Ao ocupar parte da extremidade da península daquele concelho, a CUF “conquistou todo esse território através de um rápido processo de aterros, sedimentando um dos maiores conjuntos industriais portugueses, que laborou cerca de 100 anos”, pode ler-se no documento publicado.

Para a DGCP, o conjunto “mantém ainda hoje arquitecturas autênticas e de relevante valor histórico e cultural e social, testemunhando diversas fases de produção e de laboração de um dos maiores complexos industriais europeus e dos mais significativos enquanto património industrial português”, incluindo toda uma série de equipamentos de natureza social.

- PUB -

Mais populares

Várzea veio colmatar necessidade de antecipar o fecho da estação na 5 de Outubro

TST explica que antiga estação apresentava alguns problemas, inclusive ao nível da logística nos serviços   A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) inaugurou há cerca...

Morreu o homem do mar Lídio Galinho

Lídio Galinho, homem ligado à pesca na Costa de Caparica, morreu hoje, durante a tarde, vítima de covid-19, no Hospital Garcia de Orta, em Almada